Utilize este link para identificar ou citar este item: https://bdm.unb.br/handle/10483/30032
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2020_MariaDaConceicaoMarquesDeSouza_tcc.pdf523,47 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Trajetória de uma indígena Fulni-ô no curso de enfermagem da UnB : relato de experiência
Autor(es): Souza, Maria da Conceição Marques de
Orientador(es): Silveira, Aline Oliveira
Coorientador(es): Guimarães, Sílvia Maria Ferreira
Assunto: Povos indígenas
Índios - educação
Enfermagem - estudo e ensino
Enfermagem - formação
Mulheres indígenas
Acesso à educação
Data de apresentação: 17-Dez-2020
Data de publicação: 25-Fev-2022
Referência: SOUZA, Maria da Conceição Marques de. Trajetória de uma indígena Fulni-ô no curso de enfermagem da UnB: relato de experiência. 2020. 33 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Enfermagem)—Universidade de Brasília, Brasília, 2020.
Resumo: A presença de povos indígenas nas universidades tem aumentando nos últimos anos, principalmente nas Universidades Federais (UFs) que através de vestibulares específicos, atendem a uma política de reparação histórica. A partir dessas possibilidades conquistadas pelos movimentos sociais indígenas tive a oportunidade de ingressar no Curso de Enfermagem, localizado no campus Darcy Ribeiro da Universidade de Brasília (UnB). Nesse sentido, proponho neste trabalho uma análise de natureza descritiva e crítica-reflexiva sobre a entrada e permanência de estudantes indígenas na Universidade de Brasília, sobretudo dos processos de enfrentamentos e desafios experimentados neste contexto, e observando as opressões historicamente vivenciadas pelos povos indígenas em outros contextos. Para tanto relato minha trajetória e experiências enquanto indígena, mulher, do povo Fulni-ô e graduanda no curso de Enfermagem. Por meio das políticas de inserção, estudantes indígenas vivenciaram e vivenciam experiências de luta e trazem em seu corpo as marcas das lutas territoriais, uma vez que para nós indígenas, nossos corpos físicos e espirituais fazem parte dos nossos territórios e vice-versa.
Abstract: The indigenous people presence in universities has increased in recent years, mainly in Federal Universities (UFs) which, through specific entrance exams, get in historical policy repair. From these possibilities conquered by the indigenous social movements, the opportunity to enter the Nursing Course, located on the Darcy Ribeiro campus of the Brasília University (UnB). In this sense, I propose in this work an analysis of a descriptive and critical-reflexive nature on the entry and permanence of indigenous students at the Brasília University, above all of the processes of confrontations and challenges experienced in this context, and observing the oppressions historically experienced by indigenous peoples in other contexts. So, I report my trajectory and experiences as an indigenous woman, of the Fulni-ô people and a graduate student in the Nursing course. Through insertion policies indigenous students lived and living experiences of struggle and bear on their bodies as marks of territorial struggles, since for us indigenous people, our physical and spiritual bodies are part of our territories.
Informações adicionais: Trabalho de Conclusão de Curso (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, Departamento de Enfermagem, 2020.
Licença: A concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor que autoriza a Biblioteca Digital da Produção Intelectual Discente da Universidade de Brasília (BDM) a disponibilizar o trabalho de conclusão de curso por meio do sítio bdm.unb.br, com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 4.0 International, que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho, desde que seja citado o autor e licenciante. Não permite o uso para fins comerciais nem a adaptação desta.
Aparece na Coleção:Enfermagem



Todos os itens na BDM estão protegidos por copyright. Todos os direitos reservados.