Utilize este link para identificar ou citar este item: https://bdm.unb.br/handle/10483/15970
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2016_NayaneVerasSantana_tcc.pdf860,48 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Agenda global de prioridades na área de práticas integrativas e complementares em saúde : perspectivas e recomendações da OMS para a cooperação internacional
Autor(es): Santana, Nayane Veras
Orientador(es): Andrade, Priscila Almeida
Assunto: Práticas Integrativas e Complementares (Saúde)
Cooperação internacional
Sistema Único de Saúde (Brasil)
Organização Mundial da Saúde (OMS)
Data de apresentação: 2016
Data de publicação: 6-Fev-2017
Referência: SANTANA, Nayane Veras. Agenda global de prioridades na área de práticas integrativas e complementares em saúde: perspectivas e recomendações da OMS para a cooperação internacional. 2016. 76 f., il. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Saúde Coletiva)—Universidade de Brasília, Brasília, 2016.
Resumo: Este estudo analisa as prioridades e recomendações da agenda global sanitária para as Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICs), pactuadas pelos países no âmbito da Organização Mundial de Saúde (OMS), no período 1977 a 2014. O método utilizado baseou-se na análise de conteúdo das resoluções da Assembleia Mundial de Saúde; os instrumentos técnico-políticos da OMS e do Sistema Único de Saúde (SUS). Os resultados apresentados sinalizam a seguinte agenda de prioridades da OMS para os Estados-membros sobre as PICs: inclusão na agenda governamental dos sistemas nacionais de saúde; formulação de política pública específica; desenvolvimento e implementação de políticas e programas nacionais; promoção, segurança, qualidade e eficácia das técnicas e práticas ofertadas para a população; manter o Conselho Executivo e a Assembleia Mundial da Saúde informados sobre a evolução realizada na implementação das políticas, programas e projetos relacionados às PICs em nível nacional; apoio à cooperação internacional entre países para intercâmbio de conhecimentos e práticas e para a capacitação dos profissionais de saúde. Conclui-se que há um movimento político dos países em nível internacional, apoiado pela OMS, em inserir e institucionalizar as PICs nos sistemas nacionais de saúde, principalmente nos países em desenvolvimento. Essas práticas têm um potencial de ampliar a cobertura à saúde da população, especialmente na atenção primária. Trata-se de uma área estratégica para a atuação do sanitarista que já possui uma visão holística e integrada da atenção à saúde, que contribui e reflete diretamente no processo de implementação, capacitação e inovação das PICs nas equipes multidisciplinares e na gestão em saúde. É importante avançar nesse debate, a fim de se definir e harmonizar entre os países uma agenda comum mínima com técnicas e métodos específicos na área de PICs. O Brasil já tem uma política nessa área desde 2006, sendo importante rever e ampliar as técnicas ofertadas no SUS, envolvendo diferentes categorias profissionais. É estratégico que os gestores do SUS aprendam com as experiências de outros países, bem como participem e contribuam nas negociações nos fóruns internacionais, como os apoiados pela OMS.
Abstract: This study analyzes the priorities and recommendations of the global health agenda for Integrative and Complementary Practices in Health (PICs), agreed by the countries within the framework of the World Health Organization (WHO), from 1977 to 2014. The method used was based on the content analysis of the resolutions of the World Health Assembly; The technical-political instruments of WHO and the Unified Health System (SUS). The results presented indicate the following WHO priority agenda for the Members States on PICs: inclusion of national health systems in the government agenda; formulation of specific public policy; development and implementation of national policies and programs; promotion, safety, quality and effectiveness of the techniques and practices offered to the population; To keep the Executive Board and the World Health Assembly informed of the progress made in the implementation of policies, programs and projects related to PICs at the national level; Support to international cooperation among countries for the Exchange of knowledge and practices and for the training of health professionals. It is concluded that there is a political movement of countries at the international level, supported by WHO, to insert and institutionalize PICs in national health systems, especially in developing countries. These practices have the potential to extend health coverage to the population, especially in primary care. It is a strategic area for the health worker who already has a holistic and integrated vision of health care, which contributes directly to the process of implementation, training and innovation of PICs in multidisciplinary teams and in health management. It is important to move ahead in this debate in order to define and harmonize a common minimum agenda among countries with specific techniques and methods in the area of PICs. Brazil has already had a policy in this area since 2006, and it is important to review and expand the techniques offered in the SUS, involving different professional categories. It is strategic that SUS managers learn from the experiences of other countries, as well as participate and contribute in the negotiations in the international forums, such as those supported by WHO.
Informações adicionais: Trabalho de conclusão de curso (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ceilândia, Curso de Graduação em Saúde Coletiva, 2016.
Aparece na Coleção:Saúde Coletiva



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons