Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/2685
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2011_FrancieliRigo.pdf676,09 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Entre o capital e a solidariedade : teoria do capital humano e economia solidária na educação de jovens e adultos
Autor(es): Rigo, Francieli
Orientador(es): Rêses, Erlando da Silva
Assunto: Capital humano
Economia solidária
Educação de Jovens e Adultos (EJA)
Capitalismo
Força de trabalho - efeito da educação
Educação
Data de apresentação: 14-Jul-2011
Data de publicação: 31-Jan-2012
Referência: RIGO, Francieli. Entre o capital e a solidariedade: teoria do capital humano e economia solidária na educação de jovens e adultos. 2011. 92 f. Monografia (Licenciatura em Pedagogia)—Universidade de Brasília, Brasília, 2011.
Resumo: A educação dirigida a jovens e adultos sofreu profundas influências da Teoria do Capital Humano, formulada por Theodore Schultz no final da década de 50 e início da década de 60. As ações e políticas educacionais dirigidas a essa modalidade tinham como principal objetivo formar mão-de-obra qualificada para que esses sujeitos tivessem condições mínimas de competir no mercado de trabalho. Algumas décadas se passaram, porém a EJA ainda esta inserida dentro das perspectivas da Teoria do Capital Humano e do sistema capitalista hegemônico. O presente trabalho busca uma reflexão sobre a importância da construção de um novo olhar sobre a Educação de Jovens e Adultos, levando em consideração os princípios de solidariedade e cooperação defendidos pela Economia Solidária. O objetivo geral da pesquisa é analisar as implicações e princípios da Teoria do Capital Humano na Educação de Jovens e Adultos, buscando compreender em que medida a Economia Solidária pode contribuir com a EJA no sentido de combater as desigualdades sociais que a cada dia se tornam mais excludentes para esta modalidade. Na abordagem empírica, a metodologia escolhida foi a pesquisa qualitativa, utilizando como instrumentos de construção de dados a entrevista semi-estruturada individual e em profundidade com estudiosos e especialistas na área da Educação de Jovens e Adultos e/ou da Economia Solidária. Por meio da pesquisa empírica realizada, constatou-se que a Economia Solidária ainda não é uma possibilidade concreta na nossa sociedade e na Educação de Jovens e Adultos, mas que pode vir a se tornar a alternativa para a construção de uma sociedade política, econômica e cultural mais justa e menos excludente. Ainda existem muitas barreiras para serem vencidas até que se efetue concretamente a interlocução da EJA com a Economia Solidária e que se rompam as mazelas deixadas pela Teoria do Capital Humano e pelo sistema capitalista vigente. _________________________________________________________________________________ ABSTRACT
Education for youngsters and adults and has profound influences of Human Capital Theory, formulated by Theodore Schultz in the late 50's and early 60's. The actions and educational policies directed to this modality used to have as main objective to train skilled labor in order to provide the minimal conditions for these people to compete in the labor market. Some decades have passed, but the EJA (Youth and Adult Education) is still inserted within the perspectives of the Human Capital Theory and the hegemonic capitalist system. The present study attempts a reflection on the importance of building a new look at the Youth and Adult Education, taking into consideration the principles of solidarity and cooperation advocated by the Solidarity Economy. The aim of the research is to analyze the implications and principles of the Theory of Human Capital in the Youth and Adult Education, seeking to understand the way that the Solidarity Economy can contribute with the EJA to combat the social inequalities that are becoming each day more exclusionary to this modality. In the empirical approach, the methodology chosen was the qualitative research using as tools to build the data an individual, in-depth and semi-structured interview, with scholars and experts in the field of Youth and Adults and/or Solidarity Economy. Through the empirical research, it was found that the Solidarity Economy is not a real possibility in our society and in the Youth and Adult Education, but it may become the alternative to build a political, economic and cultural society, fairer and less exclusionary. There are still many barriers to be overcome until the dialogue between the EJA and the Solidarity Economy is properly achieved breaking the wounds left by the Theory of Human Capital and the capitalist system.
Informações adicionais: Monografia (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Educação, 2011.
Aparece na Coleção:Pedagogia



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons