Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/20380
Título: Coeficiente de expansão e biometria em grãos de milho-pipoca de origens diferentes
Autor(es): Spies, Milton Robson Nunes
Orientador(es): Spehar, Carlos Roberto
Assunto: Milho como alimento
Grãos - análise
Data de apresentação: Dez-2017
Data de publicação: 10-Jul-2018
Referência: SPIES, Milton Robson Nunes. Coeficiente de expansão e biometria em grãos de milho-pipoca de origens diferentes. 2017. 28 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Agronomia)—Universidade de Brasília, Brasília, 2017.
Resumo: Com o crescimento constante do mercado de milho-pipoca no mundo, por consequência, cresce também a produção no Brasil. Mesmo assim, o seu cultivo ainda não tem recebido a devida atenção, diante de um mercado promissor. Este trabalho teve como objetivo avaliar o coeficiente de expansão do grão de milho-pipoca produzido em diferentes regiões e avaliar a biometria que possa interferir na qualidade do grão e da pipoca. Foram utilizados seis genótipos incluindo três marcas brasileiras, Provatti, Mega Bom e Yoki. Três genótipos procedentes e produzidos nos Estados Unidos da América (EUA), com endosperma de coloração branca, azul e vermelha, estes foram multiplicados no Brasil (Fazenda Água Limpa-FAL/UnB). Objetivou-se avaliar o efeito ambiental nas características de qualidade do grão em relação ao coeficiente de expansão. Quando comparados os grãos, de origem norte americana e com estes produzidos em solo brasileiro, usando-se milho-pipoca de marcas regionais como parâmetro de comparação. Avaliaram-se o teor de água, peso de 100 grãos, relação espessura/largura, índice de circularidade da cariopse, coeficiente de expansão e quantidade de grãos não pipocados (piruás). Para estimar o coeficiente de expansão foi utilizado um micro-ondas doméstico comum. O experimento foi com o delineamento inteiramente casualizado, com três repetições. Quando a variância mostrou significância, as médias de cada parâmetro foram comparadas pelo teste de Tukey, a 5% de probabilidade. Os resultados obtidos mostraram que a diferença entre regiões para a produção do milho-pipoca interfere significativamente no coeficiente de expansão do grão de milho-pipoca. Os parâmetros de biometria do grão não mostraram correlação linear com o coeficiente de expansão.
Informações adicionais: Trabalho de Conclusão de Curso (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, 2017.
Aparece na Coleção:Agronomia

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2017_MiltonRobsonNunesSpies_tcc.pdf248,35 kBAdobe PDFver/abrir


Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons