Utilize este link para identificar ou citar este item: https://bdm.unb.br/handle/10483/710
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2007_PriscilaPereiraMendes.pdf352,83 kBAdobe PDFver/abrir
Título: BPC, cuidadoras e deficientes : um estudo sobre mulheres que abandonam os direitos trabalhistas para cuidar
Autor(es): Mendes, Priscila Pereira
Orientador(es): Diniz, Debora
Assunto: Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social
Mulheres - emprego
Deficientes
Cuidados de saúde
Data de apresentação: Nov-2007
Data de publicação: 18-Nov-2009
Referência: MENDES, Priscila Pereira. BPC, cuidadoras e deficientes: um estudo sobre mulheres que abandonam os direitos trabalhistas para cuidar. 2007. 56 f. Monografia (Bacharelado em Serviço Social)-Universidade de Brasília, Brasília, 2007.
Resumo: Apesar de o Benefício de Prestação Continuada ter se estabelecido como uma política de redistribuição de renda às deficientes, pouco tem se discutido sobre os impactos do recorte de renda exigido pela política na vida profissional das cuidadoras. Deste modo, foi realizado um estudo de caso, no qual foram entrevistadas vinte mães de deficientes que saíram do mercado formal de trabalho, e cujos filhos são beneficiários do BPC atualmente. Partiu-se da hipótese de que a ausência de políticas públicas direcionadas à cuidadora, aliada às condições precárias de trabalho, favorecesse sua saída do mercado formal de trabalho para permanecer dentro dos critérios de renda do BPC, a fim de que o filho deficiente se tornasse elegível à política. A hipótese foi comprovada em várias narrativas, porém, nem sempre se observou a ocorrência de um cálculo racional a favor do BPC em detrimento ao mercado de trabalho. Na maioria dos casos, a saída do trabalho formal das mães deveu-se a responsabilidade moral destas em cuidar dos filhos deficientes em tempo integral. Assim, o critério de renda estabelecido pela política pode ter impactos significativos na vida das mulheres, pois estas, ao saírem do mercado formal de trabalho, acabam por renunciar direitos trabalhistas, tornando-se pessoas desprotegidas, tanto em relação à política de previdência quanto de assistência social, em caso de falecimento do deficiente beneficiário do BPC.
Informações adicionais: Monografia (graduação)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Humanas, Departamento de Serviço Social, 2007.
DOI: http://dx.doi.org/10.26512/2007.11.TCC.710
Aparece na Coleção:Serviço Social



Todos os itens na BDM estão protegidos por copyright. Todos os direitos reservados.