Utilize este link para identificar ou citar este item: https://bdm.unb.br/handle/10483/3898
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2011_DaniquelePinhoAndrade.pdf715,57 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Economia solidária e comércio justo : um estudo de caso da Cooperativa Central do Cerrado-DF
Autor(es): Andrade, Daniquele Pinho
Orientador(es): Diniz, Janaína Deane de Abreu Sá
Assunto: Cooperativas
Economia solidária
Comércio - regulamentação
Comércio varejista
Data de apresentação: 2011
Data de publicação: 2-Out-2012
Referência: ANDRADE, Daniquele Pinho. Economia solidária e comércio justo: um estudo de caso da Cooperativa Central do Cerrado-DF. 2011. 37 f., il. Monografia (Bacharelado em Gestão de Agronegócio)—Universidade de Brasília, Brasília, 2011.
Resumo: A economia solidária e o comércio justo são princípios que estão ganhando ênfase na atualidade. Estão relacionados ao cooperativismo e à autogestão de uma organização. Buscam o bem estar humano, contrapondo-se ao capital. O comércio justo é uma forma de comercialização que beneficia tanto o produtor quanto o consumidor, pois o consumidor está adquirindo um produto de qualidade com ética e normas voltadas ao social, ambiental e cultural. O consumidor passa a conhecer a origem do produto que está consumindo e da mesma forma o produtor mantem relações com seus clientes. Diminuem-se, assim, os intermediários, que muitas das vezes acabam se beneficiando à custa dos produtores. O trabalho a seguir tem como objetivo realizar um diagnóstico organizacional da Cooperativa Central do Cerrado, com o intuito de levantar seu funcionamento e verificar se pratica os princípios da economia solidária e do comércio justo. Foi aplicado um questionário com alguns membros da cooperativa, a fim de levantar suas concepções em torno da Cooperativa. Com o decorrer do estágio e das respostas obtidas nas entrevistas, foi possível observar que a Central segue os princípios da economia solidária e do comércio justo e, como qualquer outra organização, tem os seus problemas, mas isso não impede o seu crescimento em torno de um mercado voltado para a inserção dos produtos ecossociais oriundos de grupos, associações e cooperativas de extrativistas, artesões e entre outros.
Informações adicionais: Monografia (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade UnB Planaltina, Curso de Gestão do Agronegócio, 2011.
Aparece na Coleção:Gestão do Agronegócio



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons