Utilize este link para identificar ou citar este item: https://bdm.unb.br/handle/10483/2621
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2010_ThaísLianneAugustoAmancio.pdf678,6 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Qualidade de vida no trabalho : a perspectiva do Ministério da Educação
Autor(es): Amancio, Thaís Lianne Augusto
Orientador(es): Matias-Pereira, José
Assunto: Qualidade de vida no trabalho
Data de apresentação: 2010
Data de publicação: 26-Jan-2012
Referência: AMANCIO, Thaís Lianne Augusto. Qualidade de vida no trabalho: a perspectiva do Ministério da Educação. 2010. 42 f. Monografia (Bacharelado em Administração)—Universidade de Brasília, Brasília, 2010.
Resumo: O presente estudo teve como objetivo identificar e avaliar dentro do Ministério da Educação (MEC) os fatores que influenciam, positiva e negativamente, a Qualidade de Vida no Trabalho, na percepção dos servidores do referido ministério. Buscando descrever a importância da Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) nas organizações, analisar a QVT do Ministério da Educação e sugerir soluções ou estratégias que resultem em uma adequada QVT, buscou-se, a priori, o embasamento teórico sobre o contexto do moderno modo de trabalho. O estudo foi realizado em várias coordenações do Ministério da Educação, por meio da abordagem quantitativa. O questionário aplicado foi a Escala de Avaliação do Contexto de Trabalho (EACT). No universo de 1.129 servidores do quadro permanente do MEC, foram aplicados 800 questionários, obtendo-se retorno de 59% dos respondentes, totalizando 472 respostas. Foi possível constatar que com relação à Organização do Trabalho e às Relações Socioprofissionais, o resultado é negativo e produtor de mal-estar no trabalho com forte risco de adoecimento, requerendo providências imediatas nas causas visando eliminá-las e/ou atenuá-las. Foi sugerido para uma melhor QVT o treinamento de relacionamento pessoal, com acompanhamento psicológico já disponível na organização, o treinamento das chefias no que diz respeito à resultados adequados de liderança e relações interpessoais e, finalmente, a valorização dos servidores com recompensas. Tudo sendo feito de modo a causar um efeito direto no bem-estar, no desempenho dos funcionários, aumentando a produtividade no trabalho e a interação entre os superiores e os subordinados diminuindo, assim, o absenteísmo.
Informações adicionais: Monografia (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Departamento de Administração, 2010.
Aparece na Coleção:Administração



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons