Utilize este link para identificar ou citar este item: https://bdm.unb.br/handle/10483/2588
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2011_DagmarOliveiraMelo.pdf440,55 kBAdobe PDFver/abrir
Registro completo
Campo Dublin CoreValorLíngua
dc.contributor.advisorNascimento, Carla Francini Hidalgo Terci Ferreira-
dc.contributor.authorMelo, Dagmar Oliveira-
dc.identifier.citationMELO, Dagmar Oliveira. O diagnóstico impresso no diário: inclusão ou preconceito? 2011. 56 f. Monografia (Especialização em Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão Escolar)-Universidade de Brasília, Universidade Aberta do Brasil, Brasília, 2011.en
dc.descriptionMonografia (especialização)—Universidade de Brasília, Programa de Pós-Graduação em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde, 2011. Curso de Especialização a Distância em Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão Escolar.en
dc.description.abstractEsta pesquisa tem como tema “O diagnóstico impresso no diário: inclusão ou preconceito?” que foi escolhido por ser a inclusão de Alunos com Necessidades Educacionais Especiais (ANEE) no ensino regular, nas escolas públicas do Distrito Federal uma questão atual , preocupante e que requerem alguns ajustes. Esta será de grande relevância para a comunidade docente porque são abordadas as implicações que o diagnóstico desses alunos pode exercer sobre a prática pedagógica do corpo docente que se chegará a uma reflexão sobre os problemas que o professor encontra ao se deparar com esse aluno e como sua prática pedagógica pode ser influenciada e alterada diante do diagnóstico impresso no diário. Seu principal objetivo foi investigar as possíveis implicações que o diagnóstico impresso no diário escolar, pode exercer sobre a prática pedagógica dos docentes de uma unidade de ensino da rede pública do Distrito Federal. Os objetivos específicos foram: Identificar junto aos professores qual a percepção que eles têm das informações apresentadas no diário de classe sobre os alunos com necessidades educacionais especiais; verificar como os professores da unidade de ensino pesquisada avaliam a proposta de educação inclusiva da SEEDF e registrar as dificuldades apresentadas pelos professores para trabalhar com a proposta da Educação Inclusiva. Utilizou-se a pesquisa bibliográfica, agregada a metodologia qualitativa, com entrevista a quatro professoras que voluntariamente se propuseram a contribuir para a realização desta. Os resultados revelaram que a literatura aponta para a desumanização que é o rótulo, mas a s participantes negaram que haja essa prática e afirmaram não somente apreciarem o diagnóstico no diário, mas que ele é necessário em sua prática pedagógica. Concluiu-se com está pesquisa ,que é necessário um estudo mais aprofundado e detalhado, agregando outros segmentos e a pesquisa quantitativa para que se possa ter um quadro mais expressivo e real, contribuindo assim, para a verdadeira inclusão escolar que se faz necessárias e urgentes no ambiente escolar.en
dc.rightsAcesso Abertoen
dc.subject.keywordEducação inclusivaen
dc.subject.keywordCrianças deficientes - educaçãoen
dc.titleO diagnóstico impresso no diário: inclusão ou preconceito?en
dc.typeTrabalho de Conclusão de Curso - Especializaçãoen
dc.date.accessioned2012-01-24T14:28:49Z-
dc.date.available2012-01-24T14:28:49Z-
dc.date.issued2012-01-24T14:28:49Z-
dc.date.submitted2011-
dc.identifier.urihttp://bdm.unb.br/handle/10483/2588-
dc.language.isoPortuguêsen
Aparece na Coleção:Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão Escolar



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons