Utilize este link para identificar ou citar este item: https://bdm.unb.br/handle/10483/25253
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2017_DiegoCardosoDeSouza_tcc.pdf1,37 MBAdobe PDFver/abrir
Registro completo
Campo Dublin CoreValorLíngua
dc.contributor.advisorFalla, Maria Del Pilar Hidalgo-
dc.contributor.authorSouza, Diego Cardoso de-
dc.identifier.citationSOUZA, Diego Cardoso de. Desenvolvimento de nano-esponja de grafeno e sua aplicação em vazamentos de petróleo. 2017. 57 f., il. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Engenharia de Energia)—Universidade de Brasília, Brasília, 2017.pt_BR
dc.descriptionTrabalho de Conclusão de Curso (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade UnB Gama, Curso de Engenharia de Energia, 2017.pt_BR
dc.description.abstractO grafeno foi sintetizado pela modificação da via química (método de Hummers), utilizando como matéria-prima o grafite comercial produzido no Brasil. Primeiro foi obtido óxido de grafite, na seqüência foi obtido óxido de grafeno e, finalmente, utilizando radiação UV de 300 Watts de potência durante 4 horas foi obtido grafeno. A caracterização morfológica foi realizada por meio de técnicas: DRX, Espectroscopia no Infravermelho com Transformada de Fourier (FTIR), Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV) e Espectro Raman. Os resultados obtidos com o grafeno sintetizado em laboratório foram comparados com o padrão comercial de grafeno e estes foram muito semelhantes entre si e de acordo com a literatura. Para o fabrico de nanopartículas de grafeno (GPU), utilizaram-se esponjas de poliuretano (PU) como substratos, depois os blocos de esponja de poliuretano foram imersos na suspensão de grafeno (G) (2 mg mL -1 ) agitando com ultra-sons durante 1 h; depois, os blocos foram então levados para uma placa de aquecimento a uma temperatura de 100 ° C até secar e analisados pela técnica DRIFT-FTIR, o espectro apresentou picos característicos a 1600-1500 cm-1 atribuídos ao estiramento C-C do grafeno (G) acima do substrato de PU. Uma maior eficiência de absorção de 65% foi obtida com a Petroleum. Já nas misturas de água-petróleo (40mL H2O: 350 mg de petróleo), a capacidade de absorção (Q) da GPU foi testada à temperatura ambiente por 5 min, Q = (me-m0) / m0, onde, m0 e me são os pesos de esponja antes e depois do teste de absorção. O valor de Q para esta mistura foi superior a 30 g.g -1 . Portanto, esse material de baixo custo induz uma aplicação industrial, com viabilidade técnico-econômica e aplicações ambientais na indústria do petróleo. As GPUs quando prontas são hidrofóbicas e oleofílicas sendo extremamente importante uma solução para o derramamento de óleo no mar durante o processo de perfuração offshore, este trabalho é direcionado a esta aplicação.pt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subject.keywordGrafenopt_BR
dc.subject.keywordDerivados de petróleopt_BR
dc.subject.keywordPoliuretanopt_BR
dc.subject.keywordNanoesponjapt_BR
dc.titleDesenvolvimento de nano-esponja de grafeno e sua aplicação em vazamentos de petróleopt_BR
dc.typeTrabalho de Conclusão de Curso - Graduação - Bachareladopt_BR
dc.date.accessioned2020-07-31T01:50:39Z-
dc.date.available2020-07-31T01:50:39Z-
dc.date.submitted2017-07-07-
dc.identifier.urihttps://bdm.unb.br/handle/10483/25253-
dc.language.isoPortuguêspt_BR
dc.rights.licenseA concessão da licença deste item refere-se ao termo de autorização impresso assinado pelo autor que autoriza a Biblioteca Digital da Produção Intelectual Discente da Universidade de Brasília (BDM) a disponibilizar o trabalho de conclusão de curso por meio do sítio bdm.unb.br, com as seguintes condições: disponível sob Licença Creative Commons 4.0 International, que permite copiar, distribuir e transmitir o trabalho, desde que seja citado o autor e licenciante. Não permite o uso para fins comerciais nem a adaptação desta.pt_BR
dc.description.abstract1Graphene was synthetized by modification of the chemical pathway, using as raw material the commercial graphite produced in Brazil. First was obtained graphite oxide, in the sequence was obtained graphene oxide and finally using UV radiation of 300 Watts of power during 4 hours was obtained graphene. The morphological characterization was done using techniques: XRD, Fourier Transform Infrared Spectroscopy (FTIR), Scanning Electron Microscopy (SEM) and Raman Spectra. The results obtained with the graphene synthesized in the laboratory were compared with the commercial pattern of graphene and these were very similar between them and according to the literature. For the manufacture of graphene nano-sponge (GPU), polyurethane sponges (PU) were used as substrates, then polyurethane sponge blocks were immersed in the graphene suspension (G) (2 mg mL -1) stirring with ultrasound for 1 h; after, the blocks were then brought to a heating plate at a temperature of 100 ° C until dry and analyzed by the DRIFT-FTIR technique, the spectrum showed characteristic peaks at 1600-1500 cm -1 attributed to C-C stretching of graphene (G) above the PU substrate. A greater absorption efficiency of 65% was obtained with Petroleum. Already in the blends of water-petroleum (40mL H2O:350 mg of petroleum), the absorption capacity (Q) of the GPU were tested at room temperature for 5 min, Q = (me − m0)/m0, where, m0 and me are the sponge weights before and after the absorption test. The Q value for this blend was higher of 30 g g-1. Therefore, this low cost material induces an industrial application, with technical- economical feasibility and environmental applications in the oil industry. The GPUs when ready are hydrophobic and oleophilic being extremely important a solution for the oil spill at sea during the offshore drilling process, this work is directed to this application.pt_BR
Aparece na Coleção:Engenharia de Energia



Todos os itens na BDM estão protegidos por copyright. Todos os direitos reservados.