Utilize este link para identificar ou citar este item: https://bdm.unb.br/handle/10483/2171
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2011_DivinaPereiraPrimo.pdf2,95 MBAdobe PDFver/abrir
Título: Inclusão de alunos cadeirantes : perspectivas e desafios após o decreto 6.571 / 2008
Autor(es): Primo, Divina Pereira
Orientador(es): Vasconcelos, Riane Natália Soares
Assunto: Deficientes físicos
Estudantes deficientes
Educação inclusiva
Educação especial - legislação
Data de apresentação: 16-Abr-2011
Data de publicação: 1-Dez-2011
Referência: PRIMO, Divina Pereira. Inclusão de alunos cadeirantes: perspectivas e desafios após o decreto 6.571/2008. 2011. 67 f. Monografia (Especialização em Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão Escolar)—Universidade de Brasília, Universidade Aberta do Brasil, Brasília, 2011.
Resumo: O presente trabalho é uma pesquisa social que se insere no debate da Educação Inclusiva que teve como objetivo principal investigar as perspectivas e desafios à inclusão do aluno cadeirante após o Decreto 6.571/2008. O embasamento teórico foi construído por meio de obras de diversos autores da área da Educação, tais como Gil, Santos e Barbato (2010); Silva, Ribeiro e Mieto (2010); Dessen e Polonia (2007); Kelman (2006); Tunes, Tacca e Bartholo (2005) e Angelucci (2002). A pesquisa foi realizada no início do primeiro semestre letivo de 2011, numa escola pública estadual do município de Alexânia, estado de Goiás. Participaram da pesquisa, cuja abordagem foi qualitativa, dez pessoas sendo: seis professores, a coordenadora pedagógica, a vice-diretora, uma aluna e sua responsável (mãe). A coleta de dados ocorreu por meio de entrevistas semi-estruturadas. Por meio da pesquisa constatouse que, após a criação do Decreto nº 6.571/2008 adequou somente parte da estrutura física da escola e um professor está participando de curso de Inclusão. Por isso, os principais desafios da escola continuam sendo: integrar o atendimento educacional especializado a proposta pedagógica da escola, envolvendo a participação da família junto com as demais políticas públicas; implantar salas de recursos multifuncionais; promover a formação continuada dos funcionários para a educação inclusiva; adequar a parte física para a acessibilidade; e o Ministério da Educação realizar o acompanhamento e o monitoramento dessas ações.
Informações adicionais: Monografia (especialização)-Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Departamento de Psicologia Escolar e do Desenvolvimento, Programa de Pós-Graduação em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde, 2011. Curso de Especialização a Distância em Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão Escolar.
Aparece na Coleção:Desenvolvimento Humano, Educação e Inclusão Escolar



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons