Utilize este link para identificar ou citar este item: https://bdm.unb.br/handle/10483/18413
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2016_SuellenDaCostaESilva_tcc.pdf1,08 MBAdobe PDFver/abrir
Título: Resposta das células de osteossarcoma humano Saos - 2 ao extrato da folha de Morus nigra
Autor(es): Silva, Suellen da Costa e
Orientador(es): Salles, Loise Pedrosa
Coorientador(es): Souza, Danielle Kaiser de
Assunto: Osteossarcoma humano
Amora
Agentes antineoplásicos
Data de apresentação: Jul-2016
Data de publicação: 28-Nov-2017
Referência: SILVA, Suellen da Costa e. Resposta das células de osteossarcoma humano Saos - 2 ao extrato da folha de Morus nigra. 2016. 33 f., il. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Farmácia)—Universidade de Brasília, Brasília, 2016.
Resumo: O osteossarcoma é um tumor ósseo maligno primário que afeta principalmente crianças, adolescentes e adultos jovens com ocorrência de mutações na proteína p53. A pesquisa por novos agentes anticâncer de fontes naturais tem obtido sucesso em todo o mundo; trabalhos recentes demostram que os flavonoides têm o efeito anticancerígeno e atividade antiploriferativa. As plantas pertencentes ao gênero Morus apresentam grande quantidade de flavonoides, sendo amplamente utilizadas todas as partes da planta na medicina popular. Este estudo tem por objetivo avaliar o efeito do extrato da folha de Morus nigra, na expressão dos genes relacionados à apoptose BCL2 e BAX em células de osteossarcoma humano (Saos-2). As células foram expostas ao extrato de M. nigra diluído em metanol a 1% em concentrações variadas para o teste de viabilidade realizado com azul de tripan, durante um e cinco dias. Após cultivo de um dia na presença do extrato nas concentrações de 25 μg/mL, 100 μg/mL, 30 μL de metanol a 1% e não expostas a nenhum extrato constituíram o grupo controle. As células foram coletadas e a extração de RNA total foi realizada segundo o protocolo do Trizol Plus. O RNA obtido foi submetido a síntese de cDNA e o PCR real time com os primers dos genes BAX e BCL2. O teste de viabilidade demostrou citotoxicidade no grupo de 300 μg/mL e uma viabilidade celular de 70% no grupo de 100 μg/mL em um dia de exposição. No cultivo de 5 dias, houve citotoxicidade nos grupos do extrato de 100 μg/mL e 300 μg/mL e uma viabilidade de aproximadamente 60% no grupo 50 μg/mL. A expressão gênica de BAX apresentou diferença estatística significativa no grupo tratado com 25 μg/mL do extrato de M. nigra em relação aos outros grupos, com superexpressão desse gene. O grupo tratado com 100 μg/mL do extrato de M. nigra apresentou superexpressão de BCL2 em relação aos outros grupos. O aumento da expressão de BAX e BCL2 demostra que o extrato de M. nigra é capaz de ativas as vias de apoptose. A citotoxicidade deu-se de forma dose e tempo dependentes.
Abstract: Osteosarcoma is a primary malignant bone tumor that mainly affects children, adolescents and young adults with the occurrence of mutations in the p53 protein. The research for new natural sources with anticancer agents have been successful throughout the world, recent studies demonstrate that flavonoids have anticancer effect and nonproliferation proliferationproliferationproliferation proliferationproliferationproliferationproliferationproliferationproliferationproliferation activity. The plants belonging to the genus Morus present great amount of flavonoids, being widely used all parts of the plant in folk medicine. This study aims to evaluate the effect of Morus nigra leaf extract, the expression of apoptosis related genes BCL2 and BAX in human osteosarcoma cells (Saos-2). Cells were exposed to M. nigra extract diluted in 1% methanol in varying concentrations for the viability test with trypan blue for one to five days. After cultivating a day in the presence of the extract at concentrations of 25 μg/mL, 100 μg/mL, 30 μL of methanol 1% and not exposed to any statement constituted the control group. The cells were collected and total RNA extraction was performed according to the protocol of TRIzol Plus. The obtained RNA was subjected to cDNA synthesis and real-time PCR with primers of BCL2 and BAX. The cytotoxicity demonstrated viability test in the group of 300 μg/mL and cell viability of 70% in the group of 100 μg/mL in a day of exposure. At 5 days in culture, the cytotoxicity was groups extract 100 μg/mL and 300 μg/mL and a viability of approximately 60% in group 50 μg/mL. The gene expression BAX showed statistically significant difference in the group treated with 25 μg/mL of M. nigra extract in the other groups, with overexpression of this gene. The group treated with 100 μg/mL M. nigra extract showed overexpression of BCL2 in relation to the other groups. The increase in the BAX BCL2 expression and demonstrates that M. nigra extract can active the apoptosis pathways. Cytotoxicity was given dose and time dependent manner.
Informações adicionais: Trabalho de conclusão de curso (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade da Ceilândia, 2016.
Aparece na Coleção:Farmácia



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons