Utilize este link para identificar ou citar este item: https://bdm.unb.br/handle/10483/16403
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2016_AdoniranRibeiroRocha_tcc.pdf8,24 MBAdobe PDFver/abrir
Título: Recorte da história do ensino de língua japonesa no Distrito Federal : a escola de japonês ARCAG
Autor(es): Rocha, Adoniran Ribeiro
Orientador(es): Takano, Yuko
Assunto: Língua japonesa - estudo e ensino
Associação Rural Cultural Alexandre de Gusmão (ARCAG)
Imigrantes - japoneses
Data de apresentação: Out-2016
Data de publicação: 29-Mar-2017
Referência: ROCHA, Adoniran Ribeiro. Recorte da história do ensino de língua japonesa no Distrito Federal: a escola de japonês ARCAG. 2016. 69 f., il. Trabalho de conclusão de curso (Licenciatura em Língua e Literatura Japonesa)—Universidade de Brasília, Brasília, 2016.
Resumo: Esse trabalho pretende reconstruir a história de uma instituição de ensino de língua japonesa, localizada em região agrícola, uma característica da migração japonesa no Brasil. O objeto estudado é a Escola de Língua Japonesa ARCAG (Associação Rural Cultural Alexandre de Gusmão). Os migrantes nipônicos que vieram ao Brasil foram atraídos com uma promessa de enriquecimento rápido, proposta que conquistou muitos japoneses já que seu país de origem encontrava-se em crise econômica. Portanto os japoneses que se direcionavam ao Brasil não tinham a pretensão de se fixarem no país. Esse fato ajuda a compreender o porquê de, alguns anos depois da chegada dos primeiros migrantes japoneses, fossemconstruídas as escolas de japonês. Para este estudoforam realizadas entrevistas orais com pessoas envolvidas com a escola ARCAG. Essas entrevistas ajudam a compreender a formação e funcionamento da escola. Foi verificado, através dessas entrevistas, que a escola é comunitária e formada principalmente por membros da região do INCRA, região onde fica a escola e as lavouras dos moradores. São os moradores que possuem domínio do idioma que dão as aulas para as crianças e jovens da comunidade. Foi também verificado que essa escola, como muitas desse tipo, iniciaram suas atividades visando o ensino d língua japonesa como uma língua de herança e o curso servia para fazer a manutenção de um aspecto que Moriwaki e Nakata (2008) chamam de “japonidade”, ou seja, ter os costumes, a moral e o jeito japonês. Verificamos, porém, que a escola encontra-se em processo de mudança, seguindo a direção apresentada por Moriwaki e Nakata(2008) de se tornar um curso voltado para objetivos comunicacionais específicos, aceitar alunos sem descendência ou ascendência nipônica, que frequentam a instituição apenas por interesse na língua e na cultura. As escolas de colônias, como a do INCRA 8 estudada nesse trabalho, mostram como os descendentes de imigrantes ainda lutam para preservar não exatamente a cultura de seu país natal, mas da própria colônia e de seus antepassados nesse mundo intermediário que é a colônia, um lugar que mistura Brasil e Japão. Esse mundo vem sendo deixado de lado, as antigas tradições vem sendo apagadas e tornando-se mais homogêneas com as do Brasil.
Abstract: This work pretend to rebuild the history of a Japanese language school, located in an agricultural land, a feature of Japanese migration in Brazil. The object of this study is the Japanese Language School of ARCAG (Rural Cultural Association Alexandre de Gusmão). The Nippon immigrants who came into Brazil were attracted for a fast enrichment promise, the kind of proposition which convinced many of them, since their original country was in economic crisis. Therefore, Japanese people who have departed to Brazil had no pretension of settling in the country. This fact helps to comprehend the reason why Japanese schools were built some years after the first immigrants arriving. For this research, oral interviews were realized with people involved with ARCAG School. These interviews help to understand the school formation and functioning. Through the interviews was verified the community school is formed mainly by members of INCRA area, where is located residents’ schools and tillage. Residents who possess idiom knowledge are the ones which teach classes to community children and young. It was also verified this school, like many others of the kind, had initiated its activities looking forward the schooling of Japanese language as a heritage language and the course as maintenance procedure of an aspect Moriwaki and Nakata (2008) define as “japonity”, that is to say, the beholding of Japanese costumes, moral and general manner. Nevertheless, it was furthermore verified ARCAG school is on changing process, following a direction, presented by Moriwaki and Nakata (2008), of becoming a course intended for specific communications objectives, accepting students with no Nippon lineage who attend to classes in the institution for interest on language and culture alone. The colony schools, like the studied one INCRA 8’s, shows how immigrants offspring still fight to preserve, not quite the culture of their native country, but of their own colony, one place that blends Brazil and Japan. This world is being forgotten, the ancient traditions are being erased and becoming more homogeneous with the Brazilian ones.
Informações adicionais: Trabalho de conclusão de curso (graduação)—Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução, 2016.
Aparece na Coleção:Letras - Japonês



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons