Utilize este link para identificar ou citar este item: https://bdm.unb.br/handle/10483/14792
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2016_ThalitaMiloSimoesFerreira_tcc.pdf1,04 MBAdobe PDFver/abrir
Título: Água de lastro : sistemas de tratamento com uso de cloro aprovados pela Organização Marítima Internacional
Autor(es): Ferreira, Thalita Milo Simões
Orientador(es): Costa, Ligia Maria Cantarino da
Assunto: Transporte marítimo
Sistemas de tratamento
Água de lastro
Dióxido de cloro - aspectos ambientais
Data de apresentação: Jul-2016
Data de publicação: 27-Set-2016
Referência: FERREIRA, Thalita Milo Simões. Água de lastro: sistemas de tratamento com uso de cloro aprovados pela Organização Marítima Internacional. 2016. viii, 39 f., il. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Medicina Veterinária)—Universidade de Brasília, Brasília, 2016.
Resumo: A água de lastro consiste em água do mar ou do rio utilizada pelas embarcações para manterem sua estabilidade quando não estão completamente carregadas de mercadorias ou sofrem alteração em seu peso. Navios muito grandes e que carregam grandes volumes de carga, podem transportar uma quantidade elevada de água ao redor do globo terrestre. Com a água de lastro são transportadas também altas concentrações de animais, vegetais e microrganismos marinhos. O deslastro da água em portos diferentes daqueles de origem pode fazer com que esses organismos se tornem espécies invasoras, podendo trazer desequilíbrio ao ambiente aquático local e agravos à saúde humana e animal. Como órgão responsável pela segurança e poluição causada pelo transporte marítimo, a Organização Marítima Internacional (IMO) aprovou a Convenção Internacional para o Controle e Gestão da Água de Lastro e Sedimentos de navios, em conjunto com diretrizes que regulamentam a instalação de sistemas de tratamento de água de lastro a bordo dos navios para evitar a bioinvasão e reduzir os impactos ambientais. O presente trabalho analisou os sistemas de tratamento de água de lastro que fazem uso do Cloro como substância ativa que foram aprovados pela IMO. Esta análise reuniu parâmetros e dados contidos nos relatórios apresentados pelo GESAMP-BWWG para o MEPC, que indicam os riscos e impactos ao meio ambiente, à saúde humana e animal causados pelos sistemas de tratamento que fazem uso do cloro como substância ativa. A necessidade do transporte marítimo torna a água de lastro essencial para as embarcações e, consequentemente, o uso de sistemas de tratamento.
Abstract: Ballast water is the use of seawater or river water by the vessels to garantee their stability when they are not completely loaded or when their weight is not stable. Large vessels can carry large volumes of water in their ballast tanks around the world. The ballast water can transport high concentrations of animals, vegetables and marine microorganisms. The deballasting of the water in diferent ports away from its origin can made their organisms an invasive species. It may cause desequilibrium to the local aquatic environment and harm to human and animal health. The International Maritime Organization (IMO), as the organization reponsible for the safety and pollution caused by shipping, adopted the Internacional Convention for the Control and Management of Ballast Water and Sediments from ships. This convention has a set of guidelines governing the installation of ballast water treatment systems on bord to avoid bioinvasion and reduce environmental impacts. This study analyzes the ballast water treatment systems, approved by IMO, that make use of chlorine as the active substance. The analysis gathered parameters and data recorded in the reports submitted by the GESAMP-BWWG to MEPC, which indicated the risks and impacts to the environment, human and animal health caused by treatment systems the use chlorine as active substance. The necessity of shipping made ballast water essential to vessels and, consequently, the use of ballast water treatment systems.
Informações adicionais: Trabalho de conclusão de curso (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, 2016.
Aparece na Coleção:Medicina Veterinária



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons