Utilize este link para identificar ou citar este item: https://bdm.unb.br/handle/10483/12855
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2015_PedroTerraTelesdeSa.pdf284,42 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Prevalência da doença renal crônica autorreferida por adultos no Brasil : dados da Pesquisa Nacional de Saúde – 2013
Autor(es): Sá, Pedro Terra Teles de
Orientador(es): Pereira, Maurício Gomes
Coorientador(es): Andrade, Keitty Regina Cordeiro de
Assunto: Doença renal crônica
Insuficiência renal crônica
Data de apresentação: 2015
Data de publicação: 12-Abr-2016
Referência: SÁ, Pedro Terra Teles de. Prevalência da doença renal crônica autorreferida por adultos no Brasil: dados da Pesquisa Nacional de Saúde – 2013. 2015. 27 f. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Gestão em Saúde Coletiva)—Universidade de Brasília, Brasília, 2015.
Resumo: Introdução: A doença renal crônica (DRC) é definida como a perda gradual e progressiva da função renal, podendo apresentar ou não lesão renal, na sua fase mais avançada, os rins já não conseguem manter a homeostase do organismo Objetivo: Estimar a prevalência de doença renal crônica na população adulta brasileira referida pelos pacientes e analisar seus fatores associados. Métodos: Trata-se de um estudo transversal, com base nos microdados da Pesquisa Nacional de Saúde. Com adultos de idade igual ou maior que 18 anos, que responderam ter ou não doença renal crônica como também variáveis referentes a sexo, faixa etária, estado civil, nível de escolaridade, raça ou cor, autopercepção do estado de saúde e doenças crônicas. Foi realizada a estatística descritiva e análise bivariada utilizando a razão de prevalência como medida de efeito com respectivo intervalo de confiança (95%). Resultados: A doença renal crônica foi autorreferida por 1,4% (IC95%:1,3- 1,6%) dos entrevistados. Foi maior entre os sujeitos que tinham 75 anos ou mais, casados, o nível de escolaridade foi o sem instrução, relataram raça/cor como sendo branca, autorreferiram o estado de saúde como ruim ou muito ruim, e relataram hipertensão arterial e diabetes, sendo que não houve diferença significativa entre os sexos. A análise bivariada detectou associação entre a doença renal crônica e a maioria das variáveis selecionadas, exceto com as variáveis: sexo; nível de escolaridade, onde não houve significância estatística com as categorias ensino médio incompleto, médio completo e superior incompleto e a variável raça/cor. Conclusão: A prevalência de doença renal crônica se mostrou um problema de relevância no Brasil. Foi observada maior prevalência na população de idade mais avançada, maior ou igual a 75 anos, sendo que o crescimento da proporção se mostrou crescente como a idade. O estudo também apontou maior proporção naqueles com menor nível de escolaridade e que autorreferiram a própria saúde com ruim ou muito ruim. A prevalência da doença renal crônica também se mostrou maior em indivíduos com hipertensão arterial ou diabetes se comparados aos que não tem as duas doenças. __________________________________________________________________________ ABSTRACT
Introduction: The chronic kidney disease (CKD) is defined as the gradual and progressive loss of kidney function and may have kidney damage or not, in it's most advanced stage, the kidneys can't longer maintain homeostasis. Objective: To estimate the prevalence of chronic kidney disease in the brazilian adult population reported by the patients and analyze associated factors. Methods: It is a crosssectional study, based on microdata from the National Health Survey. With adults equal to or greater than 18 years old, who reported having or not chronic kidney disease as well as variables related to gender, age, marital status, education level, race or color, self-perceived health status and chronic diseases. Descriptive statistics were performed and bivariate analysis using the prevalence ratio as the effect measure with respective confidence interval (95%). Results: Chronic kidney disease was self-reported by 1.4% (95% CI: 1.3-1.6%) of respondents. Was higher among subjects who were 75 years or older, married, the level of education was the uneducated, reported race / color as white being, self-reported health status as poor or very poor, and reported high blood pressure and diabetes, and no significant difference between the sexes. The bivariate analysis found association between chronic kidney disease and most of the selected variables, except for the variables: gender; education level, where there was no statistical significance to the categories incomplete secondary education, secondary education and higher incomplete and race/color variable. Conclusion: The prevalence of chronic kidney disease has proven a relevant problem in Brazil. There was a higher prevalence in the older population greater than or equal to 75 years, and the growth in the proportion proved increasing as age. The study also found higher proportion in those with lower education levels and self-reported their health with bad or very bad. The prevalence of chronic kidney disease was also higher in subjects with hypertension or diabetes compared to those who do not have the two diseases.
Informações adicionais: Trabalho de conclusão de curso (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, Departamento de Saúde Coletiva, 2015.
Aparece na Coleção:Saúde Coletiva



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons