Utilize este link para identificar ou citar este item: https://bdm.unb.br/handle/10483/12852
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2015_GertrudesMeirelesGomes.pdf1,58 MBAdobe PDFver/abrir
Título: As Práticas Integrativas e Complementares e suas interfaces com a atenção primária em saúde no Distrito Federal : possibilidades e limitações
Autor(es): Gomes, Gertrudes Meireles
Orientador(es): Odeh, Muna Muhammad
Comes, Yamila
Assunto: Atenção primária à saúde
Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS
Política Distrital de Práticas Integrativas em Saúde (PDPIS)
Sistema Único de Saúde (Brasil)
Práticas Integrativas e Complementares (Saúde)
Data de apresentação: 2015
Data de publicação: 11-Abr-2016
Referência: GOMES, Gertrudes Meireles. As Práticas Integrativas e Complementares e suas interfaces com a atenção primária em saúde no Distrito Federal: possibilidades e limitações. 2015. 31 f., il. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Gestão em Saúde Coletiva)—Universidade de Brasília, Brasília, 2015.
Resumo: Este trabalho sobre as Práticas Integrativas e Complementares no SUS, que no contexto da Política Distrital é chamado de Práticas Integrativas em Saúde, buscou identificar as possibilidades e limitações da aplicação dessas em duas Unidades de Saúde do Paranoá e Itapoã. Os profissionais entrevistados são facilitadores de: automassagem, hatha yoga, lian gong, shantala e reiki. Este estudo tomou como referência a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS e a Política Distrital de Práticas Integrativas em Saúde.Foram feitas quatro entrevistas semi-estruturadas com os facilitadores de algumas dessas práticas, foi considerado as unidades onde a prática já funcionava há mais de um ano. Os dados foram analisados através da análise de conteúdo, onde foi possível identificar algumas fragilidades e possibilidades da aplicação e funcionamento no âmbito da sua aplicação como: a falta de apoio da gestão; o desconhecimento dessas práticas pelos próprios profissionais e pela sociedade em geral; a atuação de alguns desses facilitadores interagindo com os gestores e outros setores da unidade de saúde; a participação ativa dos usuários em algumas práticas e as melhorias na saúde dos usuários apontada pelos entrevistados. Uma das dificuldades identificadas nesse estudo foi a falta de informação entre os profissionais e a necessidade de divulgação das PIS no próprio sistema de saúde do Distrito Federal e na sociedade em geral, como também a necessidade de sensibilizar gestores e profissionais para a melhoria da infra-estrutura e uma maior divulgação dos cursos de formação dessas práticas dentro do sistema de saúde, para incentivar a formação de novos profissionais para que esses possam contribuir para a expansão dessas práticas. Passando assim a melhorar a interação das ações e serviços já existentes.
Informações adicionais: Trabalho de conclusão de curso (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, Departamento de Saúde Coletiva, 2015.
Aparece na Coleção:Saúde Coletiva



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons