Utilize este link para identificar ou citar este item: https://bdm.unb.br/handle/10483/12644
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2015_SarahLayanneSilvaOlimpio.pdf767,79 kBAdobe PDFver/abrir
Título: As estratégias das pessoas frente à doença falciforme : do estigma à “cura”
Autor(es): Olimpio, Sarah Layanne Silva
Orientador(es): Montagner, Miguel Ângelo
Assunto: Anemia falciforme
Estigma social
Data de apresentação: 10-Dez-2015
Data de publicação: 28-Mar-2016
Referência: OLIMPIO, Sarah Layanne Silva. As estratégias das pessoas frente à doença falciforme: do estigma à “cura”. 2015. 43 f. Monografia (Bacharelado em Saúde Coletiva)—Universidade de Brasília, Brasília, 2015.
Resumo: A Doença Falciforme (DF) é hereditária, caracterizada por uma alteração na hemoglobina, provocando o formato de “foice” nas hemácias. Essa doença é uma das alterações genéticas que ocorre com mais frequência no Brasil e no mundo. Do mesmo modo que as outras doenças crônicas, os aspectos psicossociais da DF influenciam a adaptação social dos enfermos durante a sua vida. O trabalho buscou compreender as experiências e estratégias desenvolvidas para o enfrentamento da enfermidade, assim como identificar se o grupo em questão são estigmatizados por apresentar a enfermidade. O estudo se trata de uma pesquisa qualitativa, utilizando a técnica de entrevista semiestruturada. A pesquisa foi realizada em três momentos, o primeiro compreendeu-se na pesquisa e leitura bibliográfica dos resultados referente ao tema do estudo, o segundo a identificação, por meio do grupo da rede social facebook e pelo aplicativo de celular WhatsApp, das pessoas portadoras da enfermidade, e o terceiro foi a análise do material das entrevistas. A principal estratégia identificada foi em relação ao cuidado, e o estigma foi observado principalmente no âmbito de trabalho. Enquanto profissional de Saúde Coletiva, tenho por propósito contextualizar a saúde para além dos aspectos biológicos, deste modo devo considerar os aspectos sociais dessas pessoas no auxílio de promover e reconhecer as necessidades em saúde.
Abstract: The Sickle Cell Disease (SCD) is genetic, characterized by a change in the hemoglobin cell, causing them to have an appearance of a “sickle”. It is one of the most common genetic related disease in Brazil and worldwide. Just as any other chronic diseases, psychosocial aspects of SCD have an impact on the afflicted’s social life throughout his lifetime. The study sought the understanding of the experiences and strategies developed by the sick, as well as to determine if they are indeed stigmatized. It was done as a qualitative study, using semistructured interview technique. The research was divided in three parts. The first one established the bibliographic references of the subject. The second one searched for eligible people to attend to the survey, using a variety of nowadays internet technologies. The last part consisted of the analysis of the survey. The most notorious identified strategy was about the care, and the main stigma was related to labor activities. As a professional in public healthcare, I have as my prime objective to extrapolate the understanding of the disease beyond the biological spectrum, aggregating as part of the problem the social issues inherited by the disease, so it becomes possible to address this question.
Informações adicionais: Monografia (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ceilândia, Curso de Saúde Coletiva, 2015.
Aparece na Coleção:Saúde Coletiva



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons