Utilize este link para identificar ou citar este item: https://bdm.unb.br/handle/10483/10860
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2015_ElaineRodriguesSerpa.pdf357,77 kBAdobe PDFver/abrir
Título: A intersecção de raça e gênero em duas políticas públicas em saúde no Brasil
Autor(es): Serpa, Elaine Rodrigues
Orientador(es): Lorenzo, Cláudio Fortes Garcia
Assunto: Saúde pública - políticas públicas
Políticas públicas - saúde
Gênero - desigualdade
Mulheres negras
Data de apresentação: 2015
Data de publicação: 13-Ago-2015
Referência: SERPA, Elaine Rodrigues. A intersecção de raça e gênero em duas políticas públicas em saúde no Brasil. 2015. 37 f., il. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Gestão em Saúde Coletiva)—Universidade de Brasília, Brasília, 2015.
Resumo: Se preconceito e discriminação ligados à raça e etnia já constituem determinantes de saúde, esse problema se torna ainda mais grave quando dirigido à mulher, devido à condição de dominação de gênero implicada com maior vulnerabilidade social. O discurso da diferença e de minoria são limitadores para práticas de equidade em saúde. O racismo social e institucional irá se refletir em práticas que segregam essa população reduzindo a acessibilidade e a qualidade da atenção ofertada à saúde. Este trabalho busca apresentar indicadores sociodemográficos e de saúde para caracterizar a iniquidades de que é alvo a mulher negra no Brasil e analisar os textos das políticas de saúde elaboradas para promover equidade para essa população, tendo como finalidade confrontar a Política Nacional da Saúde Integral da População Negra e a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher, investigando como estão abordadas as questões do gênero feminino na primeira e a questão de raça na segunda. ________________________________________________________________________________ ABSTRACT
If prejudice and discrimination linked to race and ethnicity are already determinants of health, this problem becomes even more serious when directed to women, due to gender dominance condition implied with a greater social vulnerability. The discourse of difference and minority are limiters for equity in health practices. The social and institutional racism will be reflected in practices that segregate this population reducing the accessibility and quality of care offered to health. This study aims to present sociodemographic and health indicators to characterize the iniquities of that is targeted black women in Brazil and analyze the texts of elaborate health policies to promote equity for this population, with the purpose of confronting the National Health Policy Integral Population Black and the National Policy for Integral Attention to Women's Health, investigating how they addressed the female gender in the first and the issue of race in the second.
Informações adicionais: Trabalho de conclusão de curso (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, Departamento de Saúde Coletiva, 2015.
Aparece na Coleção:Saúde Coletiva



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons