Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/8512
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2014_AnaClaudiaPaulaBenicio.pdf800,38 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Janelas pedagógicas : o que se vê e o que não se vê em grupos socioeducativos
Autor(es): Benício, Ana Cláudia Paula
Orientador(es): Bareicha, Paulo Sérgio de Andrade
Assunto: Pedagogia psicodramática
Grupos socioeducativos
Data de apresentação: 7-Jul-2014
Data de publicação: 1-Out-2014
Referência: BENÍCIO, Ana Cláudia Paula. Janelas pedagógicas: o que se vê e o que não se vê em grupos socioeducativos. 2014. 73 f., il. Monografia (Licenciatura em Pedagogia)—Universidade de Brasília, Brasília, 2014.
Resumo: Este estudo aborda a questão do atendimento de Grupos Socioeducativos (GS) em cumprimento de medida educativa por porte ou uso de substâncias ilícitas. O trabalho realizado nessa pesquisa adotou como base teórica a perspectiva socionômica de Moreno e a teoria da pedagogia psicodramática de Romaña, com ênfase na abordagem socioeducativa. Como pergunta norteadora temos a questão do por que determinados tópicos não são falados nos GS de forma alguma, e ainda que tentemos abordar, os participantes são vagos e reticentes a respeito de determinados temas. Tal questão nos leva ao objetivo geral de pesquisa de compreender e avaliar por que esses temas são omitidos sistematicamente nos Grupos Socioeducativos. Para o alcance desse objetivo foram estabelecidas duas etapas essenciais: analisar o papel do pedagogo e sua formação para atuar no GS e analisar o alcance e o limite da pedagogia psicodramática nesse mesmo ambiente. Trata-se de um estudo de abordagem fenomenológica quanti-qualitativa de pesquisa-ação, com enfoque nos relatos de seis sessões de atendimentos no GS em diferentes grupos. Através desse estudo foi possível notar que esses participantes omitem temas, histórias e opiniões, em alguns casos, por medo de julgamentos ou vergonha pela condição em que vivem e para onde direcionaram o rumo de suas vidas. Suas ações baseiam-se no comportamento de quem com eles convive, e do feedback que é dado nas relações que eles mantém. Tais situações surgem da necessidade consciente ou inconsciente de serem aceitos e compreendidos em sua individualidade. ________________________________________________________________________________ ABSTRACT
This study addresses the issue of care of Socio-educative Groups (GS) in fulfillment of educational measure for possession or use of illegal substances. The employment done in this research adopted as the Moreno's theoretical basis socionomic perspective and Romaña's psychodrama theory of pedagogy, with emphasis on socio-educational approach. As a guiding question we have the question of why certain topics are unspoken in GS somehow, and yet we try to address the participants are vague and reticent about certain topics. This issue leaves us to the general objetive of this search of comprehend and assess why this topics are systematically omitted in Socio Groups. To achieve this goal two essential stages were established: to analyze the role of the teacher and their training to work in GS and analyze the scope and limit of psychodrama pedagogy in that environment. This is a study of phenomenological quantitative and qualitative action research, focusing on reports of six sessions of care in GS in different groups. Through this study it was noted that these participants omit themes, stories and opinions, in some cases, for fear of judgment or shame for the condition in which they live and where they directed the course of their lives. Their actions are based on the behavior of those who live with them, and the feedback that is given in the relationships they keep. Such situations arise from conscious or unconscious to be accepted and understood as an individual need.
Informações adicionais: Monografia (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Educação, 2014.
Aparece na Coleção:Pedagogia



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons