Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/8480
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2014_MelissaAragonEscobedo_Maquete.pdf3,87 MBAdobe PDFver/abrir
2014_MelissaAragonEscobedo_Prancha.pdf12,61 MBAdobe PDFver/abrir
Título: Mariápolis : vilarejo religioso
Autor(es): Aragón Escobedo, Melissa
Orientador(es): Pereira, Bruno Capanema
Assunto: Cidades e vilas
Vida comunitária
Planejamento urbano
Sustentabilidade
Data de apresentação: 7-Jul-2014
Data de publicação: 25-Set-2014
Referência: ARAGÓN ESCOBEDO, Melissa. Mariápolis: vilarejo religioso. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Arquitetura e Urbanismo)—Universidade de Brasília, Brasília, 2014. 1 Prancha arquitetônica.
Resumo: A Mariápolis de Brasília está localizada numa área rural, com chácaras e conta com um entorno natural muito agradável, típico do cerrado. Por esse motivo, durante o processo de criação, deu-se uma especial atenção a esse aspecto, ao propor espaços verdes no interior do vilarejo e mirantes localizados nos pontos mais altos do terreno e acessados por meio de passarelas. Essas passarelas permitem ao transeunte se sentir entrando na natureza e fazendo parte dela, sendo um modo de aproximá-lo com o divino. A subsistência das Mariápolis se dá por meio da produção e venda de produtos e, por isso, decidiu-se colocar os comércios e atelieres juntos e próximos à BR80 para maior visibilidade de quem passa de carro perto do vilarejo. Além do comércio e atelieres, a economia de Mariápolis conta ainda com alojamentos para eventos, o que propicia postos de trabalho para os habitantes locais. Tais alojamentos são, muitas vezes, utilizados por diferentes instituições que precisam ter certa independência e privacidade, e, por esse motivo, decidiu-se implanta-los em local mais isolado e independente do conjunto. Dado que, para os habitantes do vilarejo é muito importante ter uma vida comunitária, privilegiou-se os espaços de uso comum, entre eles o conjunto de praças que conectam a cidade por meio de um canal central. Contribuir com a preservação da natureza também é uma necessidade da comunidade. Por isso o canal central das praças, durante o período de chuvas, receberá a água coletada e tratada dos prédios, para posteriormente, acompanhando o caimento do terreno, chegar nos espaços de cultivos localizados nas encostas. A Igreja, edifício que poderia ser considerado o de maior significância, foi implantado no ponto mais alto do terreno, de maneira a ressalta-lo e afirmar sua hierarquia na composição. Como a Igreja não terá seu uso restrito ao vilarejo, sua implantação previu um acesso direto, desde a entrada principal. Esse acesso foi marcado e ressaltado por meio de vegetação de porte mais alto, com palmeiras ao longo de toda a via e reforçando a perspectiva para a edificação. Ao equilibrar esses diversos aspectos, como respeito a natureza, vida em comunidade, produção local, entre outros, o projeto busca chegar no desejo principal das Mariápolis, de ser uma pequena expressão de uma sociedade equilibrada que consegue subsidiar todas suas necessidades materiais, sociais e espirituais.
Informações adicionais: Trabalho de Conclusão de Curso (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Projeto de Diplomação 2, 2014.
Aparece na Coleção:Arquitetura e Urbanismo



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons