Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/8426
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2014_IuriCesarioAraujo_Maquete.pdf14,32 MBAdobe PDFver/abrir
2014_IuriCesarioAraujo_Pranchas.pdf230,46 MBAdobe PDFver/abrir
Título: Complexo cultural Antônio Conselheiro
Autor(es): Araújo, Iuri Cesário
Orientador(es): Pereira, Bruno Capanema
Coorientador(es): Veloso Filho, Raimundo Nonato
Zanoni, Vanda Alice Garcia
Souza, Giuliana de Brito
Assunto: Conselheiro, Antonio, 1828-1897
Espaço cultural
Projeto arquitetônico
Cultura brasileira
Data de apresentação: 3-Jul-2014
Data de publicação: 19-Set-2014
Referência: ARAÚJO, Iuri Cesário. Complexo cultural Antônio Conselheiro. 2014. 3 f., il. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Arquitetura e Urbanismo)—Universidade de Brasília, Brasília, 2014.
Resumo: Antônio Conselheiro foi, no fim do século XIX, líder de uma série de famílias que, cansadas de viver na extrema pobreza e desigualdade de uma república recém iniciada, passam a ocupar latifúndios improdutivos e a viver em comunidade no sertão da Bahia, onde fundou-se o Arraial de Canudos. Tal fato gerou o descontentamento dos grandes aristocratas e governantes que organizaram tropas para acabar com esse novo (e salvador) modelo social. Essa batalha foi conhecida como Guerra dos Canudos. Três expedições militares contra Canudos saíram derrotadas, apenas a quarta expedição saiu vencedora ao massacrar cerca de vinte mil sertanejos. Além disso, estima-se que cinco mil militares tenham morrido. A guerra terminou com a destruição total de Canudos, a degola de muitos prisioneiros de guerra e o incêndio de todas as casas do Arraial. O Profeta, como ele era chamado, era extremamente carismático e persuasivo e conquistou a maioria daquele povo por meio de sua pregações o qual falava de uma vida melhor e plena de acordo com as leis de Deus e dos princípios da Igreja Católica. Pouco a pouco as pessoas se juntavam a peregrinação dele, abandonando as suas casas e deixando de pagar os devidos impostos (que além de abusivos, eram impossíveis de serem pagos). Em uma de suas pregações Antônio Conselheiro disse uma das suas mais célebres frases: “O sertão vai virar mar e o mar vai virar sertão”, não se sabe ao certo o que ele quis dizer com isso, estudos realizados naquela época diagnosticaram nele um quadro de distúrbio mental, no entanto, o que importa é o quão considerável foi o Profeta e quanto essa história ocorre até hoje pois famílias exaustas, por sofrerem com a seca, se submetem a condições mínimas de sobrevivência e saem de suas terras em busca de uma vida melhor O Complexo Cultural Antônio Conselheiro surge então para “trazer mar para esse sertão”. Fazer com que todos aqueles que abdicaram de uma terra “própria” consigam se reconhecer diante do resgate de sua cultura. Estão inseridos nesse complexo cultural, uma escola de artes e ofícios, um teatro de médio porte, área para eventos, galeria de arte e um mercado de artesanato e especiarias. Esse projeto se faz necessário pela ausência de espaços dessa natureza no Distrito Federal e, em específico, na Ceilândia. O Complexo Cultural Antônio Conselheiro não tem somente o papel de promoção da cultura mas de resgate e uso da mesma e, para se firmar essa intenção, paralelo ao processo de desenvolvimento do projeto fotam estudadas políticas públicas de forma a ocupar o espaço de uma maneira mais completa, coerente e eficaz, ou seja, fazer com que a população tome posse dessa área e que a mesma traga, além de cultura, qualidade de vida ou até mesmo fonte de renda.
Informações adicionais: Trabalho de Conclusão de Curso (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Projeto de Diplomação 2, 2014.
Aparece na Coleção:Arquitetura e Urbanismo



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons