Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/8067
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2014_AnaClaradaSilvaCabeceira.pdf486,86 kBAdobe PDFver/abrir
Título: A vida de Hipácia de Alexandria : representações de gênero na antiguidade tardia
Autor(es): Cabeceira, Ana Clara da Silva
Orientador(es): Oliveira, Loraine de Fátima
Assunto: Cristianismo
Mulheres filósofas
Filosofia e religião
Alexandria (Egito)
Roma - história - Império, 30 A.C.-476 D.C.
Relações de gênero
Data de apresentação: 9-Jul-2014
Data de publicação: 7-Ago-2014
Referência: CABECEIRA, Ana Clara da Silva. A vida de Hipácia de Alexandria: representações de gênero na antiguidade tardia. 2014. 43 f. Monografia (Licenciatura em Filosofia)—Universidade de Brasília, Brasília, 2014.
Resumo: Hipácia viveu num período de transformações na Alexandria no final do século IV e início do século V. Com o crescimento e difusão do cristianismo no Império Romano, o modo de vida nas cidades modificou-se de modo que as pessoas se viram impelidas a se converterem à nova religião oficial do Estado. Ela não se adequou ao novo estilo de vida, o que a expôs ao ponto de os líderes religiosos maquinarem o seu assassinato. Hipácia contribuiu com estudos nas áreas da filosofia, matemática, geometria, astronomia e foi uma mulher a frente do seu tempo, pois naquela época as mulheres não tinham voz acadêmica, política e religiosa, ou seja, não podiam contribuir nas áreas supracitadas. A filósofa tinha grande influência e renome na cidade de Alexandria que era exercida através das relações políticas, como por exemplo, com o prefeito Orestes e com os alunos da cidade, como Sinésio de Cirene, o qual tornou-se bispo anos mais tarde. Mesmo no período conturbado Hipácia enfrentou as adversidades impostas pela nova política, desta forma conseguiu contribuir academicamente, porém o preço foi sua morte. A partir do exemplo de Hipácia, é possível analisar o contexto histórico em que ela vivia e assim fazer uma representação de gênero na Antiguidade Tardia. ______________________________________________________________________________ ABSTRACT
Hypatia lived in a period of transformation in Alexandria in the late fourth century and early fifth century with the growth and spread of Christianity in the Roman Empire, the way of life in the cities was changed so much that people found themselves impelled to convert to the new state religion. She does not fit the new lifestyle, which exposed her to the extent of religious leaders machinating her murder. Hypatia contributed research in the fields of philosophy, mathematics, geometry, astronomy, and was a woman ahead of her time, because at that time women were not academic, political and religious speech, or could not contribute in the above areas. The philosopher had great influence and renown in the city of Alexandria which was exercised through political relations, for example, with Mayor Orestes and students of the city, as Synesius of Cyrene, who became bishop years later. Even in troubled times Hypatia faced adversity imposed by the new policy, thus could contribute academically, but the price was her death. From the example of Hypatia, it is possible to analyze the historical context in which she lived and so do a representation of gender in Late Antiquity.
Informações adicionais: Monografia (graduação)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Humanas, Departamento de Filosofia, 2014.
Aparece na Coleção:Filosofia - Graduação



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons