Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/665
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2008_AnaCarolinaSilverio.pdf1,14 MBAdobe PDFver/abrir
Título: As adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativa de internação no Distrito Federal : onde fica o “gênero”? (2006-2008)
Autor(es): Silvério, Ana Carolina da Silva
Orientador(es): Almeida, Patrícia Cristina Pinheiro de
Assunto: Adolescentes
Menor infrator
Centro de Atendimento Juvenil Especializado (CAJE)
Discriminação de sexo contra as mulheres
Data de apresentação: Dez-2008
Data de publicação: 12-Nov-2009
Referência: SILVÉRIO, Ana Carolina da Silva. As adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativa de internação no Distrito Federal: onde fica o “gênero”? (2006-2008). 2008. 127 f. Monografia (Bacharelado em Serviço Social)-Universidade de Brasília, Brasília, 2008.
Resumo: Este Trabalho de Conclusão de Curso é um estudo caso sobre as adolescentes em cumprimento de Medidas Socioeducativa de Internação do Distrito Federal (DF), realizado no Centro de Atendimento Juvenil Especializado – CAJE, acerca da categoria “gênero. O objetivo principal é demonstrar se o Estado, na figura do CAJE considera a categoria “gênero” na construção das Políticas Públicas voltadas para adolescentes infratoras no Distrito Federal. Para isso, considerou-se a Política de Proteção a Crianças e Adolescentes (marco regulatorio), o Sistema Nacional SocioEducativo, o Estatuto da Crinça e do Adolescente, as Políticas Públicas de Gênero, as Medidas Socioeducativa de Internação no Brasil e no DF , o histórico das adolescentes infratoras, o “Capital” institucionalizado no CAJE em um discurso da igualdade de gênero que forja desigualdades insuperáveis e a critica ao enquadramento para abafar as diferenças de “gênero”, como de deu a construção social da categoria gênero no CAJE (perfil das adolescentes e as demandas institucionais), a historia de vida de três adolescentes visando reconhecer seu local de fala e como suas especificidades construídas pelo “gênero” é garantida pelo Estado, a miopia do Estado e a ausência de políticas publicas de gênero no CAJE como uma opção política. Para embasar a análise foram escolhidas teorias que tratam sobre construção social do gênero, dicotomia sexo/gênero, papéis sexuais, sistema binário, identidade e diferença de sexo/gênero, patriarcado, poder, políticas publicas sensíveis a categoria gênero e o papel do Estado. Estas teorias nos permitem compreender o contexto em que o CAJE está inserido e dar base para a análise do estudo de caso. A metodologia utilizada para a realização da pesquisa foi Feminista para Pesquisa Social, na qual o estudo de caso foi o CAJE. As técnicas utilizadas foram à análise documental, e à de historia de vida que o estudo de caso permitiu através do método feminista de analise e a técnica dos “múltiplos métodos”. Foi concluído que o Estado constrói uma política que homogeneíza adolescentes do sexo masculino e feminino, perante o sistema socioeducativo. Isso indica que o aparelho estatal não dá atenção as especificidades de gênero, sendo míope e desconsidera as assimetrias sociais. O trabalho tem como ponto de partida a reflexão dessa constatação, evitando as analises teóricas, as políticas e os programas “neutros” do ponto de vista do gênero. O tratamento supostamente neutro certamente implica na desconsideração dos papéis desempenhamos pela mulher, com prejuízo para sua posição na sociedade.
Informações adicionais: Monografia (graduação)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Humanas, Departamento de Serviço Social, 2008.
Aparece na Coleção:Serviço Social



Todos os itens na BDM estão protegidos por copyright. Todos os direitos reservados.