Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/5634
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2013_MayareLealFerreiraBaldini.pdf263,96 kBAdobe PDFver/abrir
Título: A psicanálise que se inventa no limite : uma compreensão do suporte e do manejo clínicos do analista enquanto possibilitadores para a elaboração psíquica dos sujeitos fronteiriços
Autor(es): Baldini, Mayarê Leal Ferreira
Orientador(es): Celes, Luiz Augusto Monnerat
Assunto: Winnicott, Donald Woods, 1896-1971
Psicoterapeuta e paciente
Psicanálise
Data de apresentação: 2013
Data de publicação: 10-Jul-2013
Referência: BALDINI, Mayarê Leal Ferreira. A psicanálise que se inventa no limite: uma compreensão do suporte e do manejo clínicos do analista enquanto possibilitadores para a elaboração psíquica dos sujeitos fronteiriços. 2013. 27 f. Monografia (Especialização em Teoria Psicanalítica)—Universidade de Brasília, Brasília, 2013.
Resumo: Esta monografia se propõe, a partir de uma perspectiva winnicottiana, trazer reflexões sobre as experiências com limites representacionais, não raramente vividas pelo par analítico durante uma psicoterapia de abordagem psicanalítica com pacientes-limite. Particularmente, intende-se mostrar este tipo de clínica como possível, bem como a necessidade de um lugar, na relação analítica, que contenha os conteúdos não simbolizados. Propõe-se que, uma vez que o paciente seja amparado e contido pelo holding (sustentação) e handling (manejo) do analista, ele pode encontrar na análise um ambiente estruturante e facilitador para elaborar psiquicamente um determinado conteúdo de excesso pulsional. Para discorrer sobre este tema, a compreensão teórica será justificada por dois recortes de um caso clínico. ___________________________________________________________________________ ABSTRACT
This monograph, from a Winnicott perspective, aims to bring reflections about the experiences with representational limits, not rarely lived by the analytical pair during a psychoanalytical approach psychotherapy with borderline patients. Particularly, it intends to show this type of clinical work as something possible, and the need, in the analytical relation, for a place meant to hold the non-symbolized contents. It is proposed that once the patient is contained and supported by the analyst's holding (sustainment) and handling (management), he/she can find in the analysis an structuring and facilitating environment to psychically elaborate a certain content of pulsional excess. To discuss this theme, the theoretical comprehension will be justified by two clippings of a clinical case.
Informações adicionais: Monografia (especialização)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Coordenação dos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu, Departamento de Psicologia Clínica, 2013.
Aparece na Coleção:Teoria Psicanalítica



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons