Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/5306
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2013_ReginadeFreitasLisboa.pdf501,31 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Como as pessoas aprendem : cérebro, mente, experiência, escola e o ensino de língua portuguesa
Autor(es): Lisboa, Regina de Freitas
Orientador(es): Pilati, Eloisa Nascimento Silva
Assunto: Língua portuguesa - gramática
Aprendizagem cognitiva
Língua portuguesa - estudo e ensino
Data de apresentação: 2013
Data de publicação: 6-Jun-2013
Referência: LISBOA, Regina de Freitas. Como as pessoas aprendem: cérebro, mente, experiência, escola e o ensino de língua portuguesa. 2013. 27 f. Monografia (Licenciatura em Letras Português)—Universidade de Brasília, Brasília, 2013.
Resumo: Para promover um bom planejamento pedagógico é essencial que se conheça os processos de aprendizagem do ser humano. Motivados a obter resultados eficazes provenientes de salas de aulas reais, o Comitê de Desenvolvimento da Ciência da aprendizagem, o Comitê de pesquisa da Aprendizagem e da Prática Educacional junto a Comissão de Educação e Ciências Sociais e do Comportamento e o Conselho Nacional de Pesquisa dos Estados Unidos se uniram com o objetivo de ajudar professores e escolas a criarem uma ponte entre o processo de aprendizagem e as atividades concretas realizada nas escolas. Como as pessoas aprendem: cérebro, mente, experiência e escola visa contribuir para a implementação de significativas mudanças de paradigmas em todas as áreas de atuação, e para que os resultados das últimas pesquisas sobre o processo de aprendizagem sejam palpáveis foi preciso analisar profundamente todas as etapas das salas de aulas reais, desde o planejamento até a avaliação.Considerando, portanto, a obra Como as pessoas aprendem: cérebro, mente, experiência e escola, o objetivo desse estudo é apresentar um resumo da obra e desenvolver uma reflexão sobre como as propostas ali apresentadas podem ser implementadas no desenvolvimento das habilidades em Língua Portuguesa e de gramática da Língua Portuguesa, em sala de aula. Assim como os pesquisadores dos comitês supracitados acreditam nos processos de aprendizagem e na sua organização efetiva, nós acreditamos que o desenvolvimento do comportamento linguístico extrapola os limites das gramáticas tradicionais (GTs) estudadas em sala de aula. Em vez disso, propomos a investigação científica desse comportamento a fim de obter melhorias nas aulas de português.O estudo abordará alguns dos principais temas explorados na obra e associará os resultados das pesquisas com problemas encontrados nas aulas de Língua Portuguesa no que diz respeito à conceituação de sujeito e regência verbal.
Informações adicionais: Monografia (graduação)—Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas, 2013.
Aparece na Coleção:Letras - Português



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons