Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/5118
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2013_LayraEmilyRodriguesDias.pdf14,25 MBAdobe PDFver/abrir
Título: Perspectivas e desafios do Projeto Biguá : usos e reusos do óleo de cozinha em Sobradinho-DF
Autor(es): Dias, Layra Emily Rodrigues
Orientador(es): Cruz, Tânia Cristina da Silva
Assunto: Eliminação de resíduos
Óleos e gorduras alimentícias
Reaproveitamento (Sobras, refugos, etc.)
Mobilização social
Educação ambiental
Data de apresentação: 28-Fev-2013
Data de publicação: 16-Mai-2013
Referência: DIAS, Layra Emily Rodrigues. Perspectivas e desafios do Projeto Biguá: usos e reusos do óleo de cozinha em Sobradinho-DF. 2013. [103] f., il. Monografia (Bacharelado em Gestão Ambiental)—Universidade de Brasília, Planaltina, 2013.
Resumo: O crescimento da população aliado à ocupação desordenada do espaço urbano, trazem consigo um padrão de consumo atrelado à geração de resíduos, que quando mal dispostos comprometem o meio ambiente e os seres vivos. O óleo de cozinha é o resíduo domiciliar que recebe o maior enfoque no presente trabalho. A Caesb, enquanto órgão público prestador de serviços públicos de saneamento, desenvolveu um projeto com o objetivo de mobilizar e educar a população do Distrito Federal para a correta disposição do óleo de cozinha usado, causador de impactos ambientais e problemas nas estações de tratamento de esgotos, o Projeto Biguá. Esse projeto tem por meta evitar que qualquer quantidade de óleo adentre as estações de tratamento de esgotos, causando problemas às mesmas. Com o objetivo de saber se o Projeto Biguá cumpre com a mobilização social e educação ambiental da população de Sobradinho-DF, foi feita uma entrevista a uma colaboradora do Projeto, bem como a aplicação de quarenta e cinco questionários nos quatro Pontos de Entrega Voluntária do Projeto, com vistas a definir o perfil socioeconômico do respondente, além do seu conhecimento a respeito do Projeto Biguá. Os resultados mostram que a maioria dos indivíduos conhece ou já ouviu falar do Projeto, grande parte através da Caesb, porém um número pouco expressivo participa. Os resultados da pesquisa evidenciam a deficiência da divulgação e da instrução da população de Sobradinho-DF a respeito do Projeto Biguá e mostram também que os indivíduos não são mobilizados e educados ambientalmente para se sentirem parte do processo e para ter um senso crítico dos seus hábitos e comportamentos.
Informações adicionais: Monografia (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Planaltina, Graduação Gestão Ambiental, 2013.
Aparece na Coleção:Gestão Ambiental



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons