Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/3798
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2012_CarlosAlbertoAlmeidaCerqueiraJunior.pdf142,99 kBAdobe PDFver/abrir
Título: As diferentes intensidades da Primavera Árabe sobre os países do Oriente Médio e Norte da África : os casos da Tunísa e do Egito
Autor(es): Cerqueira Junior, Carlos Alberto Almeida
Orientador(es): Santos, Norma Breda dos
Assunto: Países árabes
Primavera Árabe
Revoltas - Oriente Médio
Data de apresentação: 2012
Data de publicação: 4-Set-2012
Referência: CERQUEIRA JUNIOR, Carlos Alberto Almeida. As diferentes intensidades da Primavera Árabe sobre os países do Oriente Médio e Norte da África: os casos da Tunísa e do Egito. 2012. [32] f. Monografia (Especialização em Relações Internacionais)—Universidade de Brasília, Brasília, 2012.
Resumo: A recente onda de protestos que tem ocorrido no Oriente Médio e no Norte da África, também conhecida como Primavera Árabe, tem promovido profundas mudanças na região. A queda de regimes autoritários como o de Ben Ali na Tunísia, Hosni Mubarak no Egito entre outros, marca o fim de uma era de repressão política, violações de direitos humanos e privações de liberdades. Somados a esse contexto político, crises econômicas, desemprego, falta de prestação de serviços públicos básicos como saúde, educação e moradia, motivaram a população da região a protestar contra a inércia governamental e exigir mudanças. Produto de um arranjo franco-inglês do início do século XX, os países da região foram estabelecidos através de uma delimitação de fronteiras que negligenciou critérios básicos para essa divisão. Tribos rivais, culturas e religiões por essência conflitantes foram reunidas num mesmo território, estimulando rivalidades que permanecem até hoje. A repulsa à dominação europeia estimulou um poderoso sentimento nacionalista, e a combinação desses fatores desencadeou o início dos movimentos de independência. Os novos governos logo se mostraram corruptos e ineficientes, e uma série de golpes de estado implantou ditadores, cuja aparente vitaliciedade está sendo amplamente questionada pela Primavera Árabe. _________________________________________________________________________________ ABSTRACT
The recent wave of protests that have been occurring within the Middle East and in Northern Africa, namely: Arab Spring, have been promoting deep changes within the regions. The fall of authoritarian regimes such as Ben Ali`s in Tunisia, Hosni Mubarak`s in Egypt, among others, marks the end of an era of political repression, human rights violations and restricted liberty. In addition to this political context, economic crises, unemployment, the lack in providing basic public services such as health, education, housing, motivated the population of the region to protest against the governmental inertia and demand for changes. Product of a Franco-English arrangement from the early twentieth century, countries in the region were established through a demarcation of borders that neglected basic criteria for its division. Rival tribes, cultures and religions essentially conflicting were put together in the same territory, encouraging rivalries that remain till today. The revulsion against European domination has stimulated a strong nationalist sentiment, and the combination of these factors sparked the beginning of the independence movements. The new governments soon proved to be corrupt and inefficient, and a series of coups deployed dictators, whose apparent tenure is being widely questioned by the Arab Spring.
Informações adicionais: Monografia (especialização)—Universidade de Brasília, 2012.
Aparece na Coleção:Relações Internacionais - Especialização



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons