Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/2886
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2010_AparecidaEvangelistaRodriguesNunes.pdf551,13 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Acessibilidade de clientes com deficiência auditiva ao Banco do Brasil
Autor(es): Nunes, Aparecida Evangelista Rodrigues
Orientador(es): Létti, Mariana Marlière
Assunto: Integração social
Responsabilidade social da empresa
Banco do Brasil
Deficientes auditivos
Surdos
Data de apresentação: 4-Dez-2010
Data de publicação: 13-Fev-2012
Referência: NUNES, Aparecida Evangelista Rodrigues. Acessibilidade de clientes com deficiência auditiva ao Banco do Brasil. 2010. 39 f., il. Monografia (Bacharelado em Administração)—Universidade de Brasília, Brasília, 2010.
Resumo: A luta pelo reconhecimento e pela legitimidade dos direitos das pessoas com deficiência é antiga, mas somente a partir da promulgação da Constituição de 1988 houve a inserção efetiva do assunto na legislação federal, ainda que de forma tímida. Durante muitos anos a inclusão de pessoas com deficiência foi preocupação restrita dos profissionais da área de educação. Com o passar do tempo percebeu-se que para tornar a sociedade inclusiva, seria necessário adotar ações buscando oferecer tratamento e atendimento às pessoas com deficiências em qualquer setor da sociedade. Acessibilidade não significa apenas permitir que as pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida participem de atividades que incluem o uso de produtos, serviços e informação, mas a inclusão e a extensão do uso destes por todas as parcelas de uma determinada população. Percebemos uma luta crescente da sociedade pela inclusão social para que as empresas atuem de forma socialmente responsável, para que as pessoas com deficiência usufruam de seus direitos e exerçam sua plena cidadania. Esta pesquisa qualitativa teve por objetivo verificar a eficácia das ações adotadas pelo Banco do Brasil em promoção de acessibilidade a clientes com deficiência auditiva no atendimento de suas agências localizadas no Distrito Federal, a partir de informações obtidas de funcionários de que ele estava oferecendo o curso de Linguagem Brasileira de Sinais (LIBRAS) a funcionários do atendimento ao público, atuantes no ambiente das agências e das respostas dadas por deficientes auditivos do banco. Entrevistamos funcionários que desenvolvem os projetos sociais e aplicamos um questionário a alguns deficientes auditivos de agências do DF. Pelas respostas dos entrevistados, percebemos que esses funcionários são apaixonados pelo que fazem e acreditam muito que o banco tem grande compromisso com a responsabilidade social, acreditam também que oferecendo um atendimento diferenciado aos deficientes auditivos, vai atrair novos nichos de mercado e captar novos negócios, mas não será muito significativo. Os clientes deficientes também acreditam que o banco está qualificando seus funcionários por compromisso com a responsabilidade social e para promover a inclusão dos surdos. Com base nos dados obtidos na pesquisa, e especialmente nos dados constantes na Carta de Princípios e Responsabilidade Social e na Agenda 21, que podem ser lidos no site do banco, acreditamos em suas ações sociais e que ele se aproximará mais do “atendimento de excelência”, tão discutido nos dias atuais, conciliando às suas estratégias organizacionais.
Informações adicionais: Monografia (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Departamento de Administração, Curso de graduação em Administração a Distância, 2010.
Aparece na Coleção:Administração



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons