Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/2531
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2011_ZildenorFerreiraDourado.pdf161,53 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Discurso, preconceito linguístico e manipulação da informação : estudo de caso sobre a polêmica, na imprensa, dos supostos “erros” de português em livro do MEC
Autor(es): Dourado, Zildenor Ferreira
Orientador(es): Corôa, Maria Luiza Monteiro Sales
Assunto: Análise do discurso
Imprensa
Livros didáticos
Linguagem e educação
Comunicação e expressão
Data de apresentação: Jul-2011
Data de publicação: 19-Jan-2012
Referência: DOURADO, Zildenor Ferreira. Discurso, preconceito linguístico e manipulação da informação: estudo de caso sobre a polêmica, na imprensa, dos supostos “erros” de português em livro do MEC. 2011. 51 f. Monografia (Licenciatura em Letras Português e Respectivas Literaturas)—Universidade de Brasília, Brasília, 2011.
Resumo: Esta pesquisa tem como corpus a análise do discurso crítica dos textos produzidos pela imprensa, em maio de 2011, que alimentaram uma polêmica midiática em torno da distribuição do livro didático adotado pelo Ministério da Educação (MEC), Por uma vida melhor, que supostamente “ensinava” aos jovens a “falar errado”, em virtude de abordar a defesa da variedade popular da língua. O foco principal desta investigação é o viés ideológico conservador que marcou o discurso de condenação ao livro. Em vez de discutir com mais profundidade científica o teor das lições, a imprensa __ como também políticos e intelectuais __ optou por atacar a proposta de se discutir em sala de aula o respeito às formas populares de expressão, fora da norma culta, como é defendido há muitos anos pelos especialistas em linguística. Nas reportagens, os textos buscaram o deboche, em vez da reflexão profunda do assunto. Conforme exposto pelo autor deste trabalho, as edições jornalísticas veiculadas sobre o assunto buscaram impacto na mídia, distorcendo com falácias os enunciados do livro didático ao ponto de pregar o recolhimento das centenas de milhares de exemplares distribuídos aos alunos do programa da Educação de Jovens e Adultos (EJA). Mesmo com pouco espaço destinado à defesa, linguistas rechaçaram as críticas e reafirmaram que o respeito à norma popular é uma mudança em curso no ensino, respaldada pelos parâmetros curriculares nacionais. Apesar do discurso engajado da mídia, o debate sobre preconceito linguístico acabou provocando interesse entre leigos, que jamais discutiram a questão.
Informações adicionais: Monografia (graduação)—Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Linguística, Línguas Clássicas e Português, 2011.
Aparece na Coleção:Letras - Português



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons