Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/22420
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2018_VictorAugustoDePaulaPinto_tcc.pdf2,03 MBAdobe PDFver/abrir
Título: Métodos químicos para promover esterilização de cães e gatos machos
Autor(es): Pinto, Victor Augusto de Paula
Orientador(es): Lucci, Carolina Madeira
Assunto: Castração de animais
Reprodução animal
Data de apresentação: Dez-2018
Data de publicação: 11-Set-2019
Referência: PINTO, Victor Augusto de Paula. Métodos químicos para promover esterilização de cães e gatos machos. 2018. 71 f., il. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Medicina Veterinária)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.
Resumo: O controle populacional de cães e gatos errantes é uma preocupação mundial, pois esses animais são portadores de zoonoses, predam a fauna nativa e atacam animais domésticos. A adoção de todos esses animais é impossível, devido à sua grande capacidade reprodutiva, portanto, a esterilização é a alternativa mais viável. Apesar das fêmeas conceberem diversos filhotes em uma única gestação, um único macho é capaz de emprenhar muitas fêmeas em um curto período de tempo, sendo sua esterilização mais eficiente no controle populacional. Animais submetidos a métodos cirúrgicos necessitam de tratamento especial pré e pós-cirurgia, sendo necessárias despesas com fármacos e equipamentos cirúrgicos. Fora isso, as complicações pós-cirurgia podem ser extensas, tornando esses métodos pouco viáveis para uso em larga escala. Os métodos não cirúrgicos são mais baratos, não requerem o emprego de um cirurgião e têm período de recuperação substancialmente inferior. Os métodos não cirúrgicos se dividem em três grupos: Terapia Hormonal, Imunocontracepção e Castração Química. A terapia hormonal e a imunocontracepção não são métodos confiáveis para o controle populacional devido a seu período limitado de efetividade, enquanto a castração química alcança resultados permanentes, sendo uma alternativa mais viável. Porém, para que a castração química seja efetiva, ela deve danificar todo o tecido envolvido, sob risco de haver regeneração de células de Leydig e até de túbulos seminíferos. Diversos métodos promissores de castração química já foram descritos, mas ainda são necessários muitos estudos sobre a amplitude de seus efeitos a longo prazo e substância ideal para cada espécie.
Abstract: Population control in stray cats and dogs is a worldwide concern, as these animals carry zoonotic diseases, prey on the native wildlife and attack domestic animals. The adoption of all of these animals is impossible, due to their great reproductive capacity, thus, sterilization is the most viable option. Despite females being able to conceive several puppies in a single gestation, a single male is able to impregnate many females in a short period of time, making its sterilization the efficient choice in population control. Animals submitted to surgical methods require special pre and post-surgery treatment, resulting in the necessity of expenses with drugs and surgical equipment. Also, post-surgery complications can be significant, rendering these methods infeasible for use in large scale. Non surgical methods are cheaper, don’t require the presence of a surgeon and have a much shorter recuperation period. Non surgical methods can be divided into three groups: Hormone therapy, Immunocontraception and chemical castration. Hormone therapy and immunocontraception aren’t reliable for population control by reason of the short duration of their effects, while chemical castration can achieve permanent results, being a better alternative. Although, for chemical castration to be effective, it must damage al the involved tissue, lest there’ll be regeneration of Leydig cells and seminiferous tubules. Many promising methods of chemical castration have been described, but several studies about the amplitude of their long-term effects and ideal compound for each species are still required.
Informações adicionais: Trabalho de Conclusão de Curso (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, 2018.
Aparece na Coleção:Medicina Veterinária



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons