Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/22197
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2018_MateusHenriqueSiqueiraGoncalves_tcc.pdf971,31 kBAdobe PDFver/abrir
Título: “Palhaço pinta o rosto para viver, e o travesti também” : uma análise sobre a representação das travestis no eixo Rio de Janeiro-São Paulo (1980-1988)
Autor(es): Gonçalves, Mateus Henrique Siqueira
Orientador(es): Torres, Mateus Gamba
Assunto: Comunidade LGBT
Homossexuais
Data de apresentação: 4-Dez-2018
Data de publicação: 24-Jun-2019
Referência: GONÇALVES, Mateus Henrique Siqueira. “Palhaço pinta o rosto para viver, e o travesti também”: uma análise sobre a representação das travestis no eixo Rio de Janeiro-São Paulo (1980-1988). 2018. 69 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado e Licenciatura em História)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.
Resumo: O presente trabalho tem por objetivo evidenciar as representações violentas que a sociedade e o Estado teceram sobre o corpo, a vivência e as práticas das travestis através de discursos midiáticos encontrados na imprensa popular e alternativa – guiados à análise pelo Lampião da Esquina (1980-1981)1 – e na área audiovisual – Comando da Madrugada (1987) e Hunting Season (1988) – no eixo Rio de Janeiro-São Paulo entre os anos de 1980 e 1988. Examinando como a representação, a priori, do campo mental, estético, “puramente” do estrato conceitual da sociedade, pode influenciar em violências reais nos corpos desses indivíduos travestis. Entendo esse período enquanto duros anos para a comunidade LGBT como um todo, porém, ainda mais severos para as travestis – por conta da prostituição – em decorrência dos eventos que se seguiram após o aparecimento da AIDS.
Informações adicionais: Trabalho de Conclusão de Curso (graduação)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Humanas, Departamento de História, 2018.
Aparece na Coleção:História



Todos os itens na BDM estão protegidos por copyright. Todos os direitos reservados.