Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/21757
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2017_GabrielLeiteCardoso_tcc.pdf428,2 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Contribuição do aquecimento e do alongamento no desempenho da flexibilidade em universitários
Autor(es): Cardoso, Gabriel Leite
Orientador(es): Molina, Guilherme Eckhardt
Coorientador(es): Fontana, Keila Elizabeth
Assunto: Exercícios físicos
Exercícios de alongamento
Articulações - amplitude de movimento
Data de apresentação: 2017
Data de publicação: 8-Abr-2019
Referência: CARDOSO, Gabriel Leite. Contribuição do aquecimento e do alongamento no desempenho da flexibilidade em universitários. 2017. 19 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação Física)—Universidade de Brasília, 2017.
Resumo: O objetivo do estudo foi verificar as alterações agudas nos escores máximos do teste de flexibilidade de sentar e alcançar (TSA) a partir de exercícios de alongamento ou aquecimento realizados previamente ao teste. Foram avaliados 30 voluntários jovens, estudantes universitários de educação física (21,5 ± 2,8 anos e 23,2 ± 3,6 kg/m2) de ambos os sexos que realizaram o TSA em três sessões distintas. A primeira sessão foi controle sem a realização de aquecimento ou alongamento antes do TSA, em seguida, realizou-se aquecimento ou alongamento antes do TSA de maneira randomizada para a segunda e terceira sessão. O alongamento consistiu em três tentativas de 30 segundos de alongamento tentando alcançar a ponta dos pés em posição em pé sem auxilio externo com um minuto de intervalo entre as tentativas. O aquecimento consistiu em pedalar durante cinco minutos na bicicleta ergométrica a carga de 50 watts e o ritmo de 60 e 70 rotações por minuto. O TSA foi realizado em três tentativas com intervalo de um minuto entre as tentativas. Os dados foram analisados quanto a normalidade por meio do teste de Shapiro-Wilk, aonde verificou-se normalidade dos dados, com exceção para a idade e estatura. Na comparação entre os protocolos foram analisados homens e mulheres de maneira separada e em conjunto. Utilizou-se a ANOVA mista de dois fatores (protocolo x sexo) para a análise inferencial, que não mostrou diferença da flexibilidade entre os sexos. O nível de significância utilizado foi p≤0,05. Foram observadas diferenças significativas entre os grupos de TSA aquecimento e TSA alongamento quando comparados ao TSA controle. Foi concluído que tanto o aquecimento como o alongamento promoveram ganhos na flexibilidade medida em universitário e novas pesquisas devem ser realizadas utilizando-se um maior número amostral.
Abstract: The purpose of the study was to investigate the acute changes in maximum range on the flexibility measured by sit and reach test (SRT) from static stretching or warm up exercises before the test. We selected 30 volunteer university students of physical education (21.5 ± 2.8 years and 23.2 ± 3. 6 kg/m2), of both genders who performed the sit and reach test in three different sessions. The first session was control without performing warm-up or stretching prior to SRT, after that warm-up or stretching before SRT was randomized for the second and third session. The stretching session consisted of three series of 30-second stretching attempting to reach the tip of the feet in standing position without external assistance with one-minute interval between attempts. The warm-up consisted of pedaling for five minutes on the stationary bicycle the 50-watt load and the rhythm of 60 and 70 revolutions per minute. The SRT was performed in three attempts with a one-minute interval between attempts. The data were analyzed for normality using the Shapiro-Wilk test where normality of data was verified except for age and height. In the comparison between the protocols performed, men and women were analyzed separately and together. The ANOVA two way (protocol x sex) was used for the inferential analysis that didn’t show differences of data between sex within the protocols. The significance level P≤0.05 was used. Significant differences were observed between the TSA heating and TSA stretching groups when compared to the TSA control. It was concluded that both heating and stretching promoted gains in flexibility as measured by college students and new research should be performed using a larger sample number.
Informações adicionais: Trabalho de Conclusão de Curso (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Educação Física, 2017.
Aparece na Coleção:Educação Física



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons