Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/21426
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2018_PaulaBeatrizSilvestreMelo_tcc.pdf348,22 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Correlação entre a taquicardia durante o estresse ortostático ativo e a recuperação cronotrópica após teste cardiopulmonar máximo em homens jovens saudáveis
Autor(es): Melo, Paula Beatriz Silvestre
Orientador(es): Molina, Guilherme Eckhardt
Assunto: Batimento cardíaco
Exercícios físicos
Data de apresentação: 2018
Data de publicação: 16-Fev-2019
Referência: MELO, Paula Beatriz Silvestre. Correlação entre a taquicardia durante o estresse ortostático ativo e a recuperação cronotrópica após teste cardiopulmonar máximo em homens jovens saudáveis. 2018. 20 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Educação Física)—Universidade de Brasília, Brasília, 2018.
Resumo: Introdução: A frequência cardíaca é modulada por variáveis intrínsecas e pelos ramos simpático e parassimpático do Sistema Nervoso Autônomo (SNA). Diversos ensaios clínicos demonstram que a avaliação da frequência cardíaca no repouso (FC) e da frequência cardíaca de recuperação (FCR) são consideradas importantes e independentes preditores de risco cardiovascular para mortalidade. Nesse cenário, é razoável esperar que a modulação autonômica cardíaca de repouso possa influenciar na capacidade de recuperação imediatamente após o esforço. Portanto, o objetivo do trabalho foi avaliar a correlação entre a taquicardia durante o teste de estresse ortostático ativo (EOA) com a FCR nos primeiros 5 minutos após teste cardiopulmonar máximo (TCmax) em homens jovens saudáveis. Métodos: Foram avaliados 30 homens, com idade entre 18 e 40 anos e IMC entre 18,6 a 29,9 kg/m2, saudáveis de acordo com avaliação clínica-cardiológica. A função autonômica cardíaca (FAC) no repouso foi avaliada durante o EOA por meio das variáveis velocidade de taquicardia (bpm/s) e reserva cronotrópica basal (RCB) (bpm). A FCR foi obtida por meio da diferença da frequência cardíaca máxima (FCmax), obtida no TCmax, com o registro da FC no 1º ao 5º minuto da recuperação ativa, segundo protocolo de Cole et al. (1999). Após avaliação da normalidade dos dados (Shapiro Wilk) utilizou-se a estatística descritiva mediana (extremos) e para a análise de correlação foi utilizado o teste de correlação de Spearman, ao nível de significância de 5%. Os dados foram processados pelo software estatístico Graph Pad, 6.0. Resultados: Foram observadas correlações positiva entre a velocidade de taquicardia e a FCR no 1º rs= 0,36 p= 0,02; 2º rs = 0,42 p=0,01; 3º rs = 0,45 p<0,01; 4º rs = 0,41 p=0,01 e 5º rs =0,56 p<0,01 minutos de recuperação e correlação positiva entre a reserva cronotrópica basal (RCB) após EOA com a FCR 1º rs = 0,27 p=0,07; 2º rs = 0,31 p=0,05; 3º rs = 0,36 p=0,02; 4º rs = 0,32 p=0,04 e 5º rs =0,49 p<0,01 minutos de recuperação. Discussão / Conclusão: O principal achado do trabalho foi verificar que a velocidade de taquicardia se correlaciona positivamente com a FCR, %FCR e CFCR e que a RCB se correlaciona positivamente com a FCR, %FCR e CFCR. Portanto, os achados sugerem que quanto maior a taquicardia durante o EOA (retirada parassimpática) maior a FCR. Conclui-se que quanto maior a retirada parassimpática durante o EOA maior será a FCR após TCmax, indicando que o comportamento FC durante o EOA pode influenciar a FCR.
Abstract: Introduction: The heart rate is modulated by intrinsic variables and by the sympathetic and parasympathetic branches of the Autonomic Nervous System (ANS). Several clinical trials have shown that resting heart rate (HR) and heart rate recovery (HRR) are considered important and independent predictors of cardiovascular risk for mortality. In this scenario, it is reasonable to expect that autonomic cardiac modulation at rest may influence recovery capacity immediately after exertion. Therefore, the objective of this study was to evaluate the correlation between tachycardia during the active orthostatic stress test (OAE) and HRR in the first 5 minutes after maximal cardiopulmonary test (CTmax) in healthy young men. Methods: We evaluated 30 men, aged between 18 and 40 years with BMI between 18.6 and 29.9 kg/m2, healthy according to clinical and cardiological evaluation. The cardiac autonomic function (CAF) at rest was evaluated during the OAE by means of tachycardia velocity (bpm/s) and basal chronotropic reserve (BCR) (bpm). The HRR was calculated by means of the difference in maximal heart rate (HRmax), obtained in the CTmax, with HR recording at the 1st to 5th minute of the active recovery, according to Cole et al. (1999). After the normality of the data (Shapiro Wilk), we used the median descriptive statistics (extremes) and for the correlation analysis the Spearman correlation test was used, at a significance level of 5%. Data were processed by Graph Pad, 6.0 statistical software. Results: Correlations were: positive between tachycardia velocity and HRR at 1st rs=0,36 p=0,02; 2nd rs = 0,42 p = 0,01; 3rd rs=0,45 p <0.01; 4th rs=0,41 p=0,01 and 5th rs=0,56 p<0,01 minutes of recovery and positive correlation between the basal chronotropic reserve (BCR) after OAE with HRR 1st rs=0,27 p=0,07; 2nd rs=0,31 p=0,05; 3rd rs=0,36 p=0,02; 4th rs=0,32 p=0,04 and 5th rs=0,49 p<0.01 minutes of recovery. Discussion: The main finding of the study was that the velocity of tachycardia correlates positively with the HRR, %HRR and the CHRR and that the BCR correlates positively with the HRR, %HRR and the CHRR. Therefore, the findings suggest that the higher the tachycardia during OAE (parasympathetic withdrawal) the higher the HRR. It is concluded that the greater the parasympathetic withdrawal during the OAE, the higher the HRR after CTmax, indicating that the HR behavior during the OAE may influence the HRR.
Informações adicionais: Trabalho de Conclusão de Curso (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Educação Física, 2018.
Aparece na Coleção:Educação Física



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons