Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/19977
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2017_BarbaraKellyLeaoCoelhoDiasdeAndrade_BrunaCeciliaSerafiniChanVianna.pdf1,68 MBAdobe PDFver/abrir
Título: Yu gonplei nou ste odon : uma análise da personagem Lexa de “The 100”
Autor(es): Andrade, Bárbara Kelly Leão Coelho Dias de
Vianna, Bruna Cecilia Serafini Chan
Orientador(es): Machado, Liliane Maria Macedo
Assunto: Representatividade
Feminismo
Lesbianismo
Televisão - seriados
Comunidade LGBT
Análise de conteúdo (Comunicação)
Data de apresentação: 6-Dez-2017
Data de publicação: 23-Abr-2018
Referência: ANDRADE, Bárbara Kelly Leão Coelho Dias de; VIANNA, Bruna Cecilia Serafini Chan. Yu gonplei nou ste odon: uma análise da personagem Lexa de “The 100”. 2017. 77 f., il. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Comunicação Social)—Universidade de Brasília, Brasília, 2017.
Resumo: Esta monografia se propõe a analisar a personagem Lexa do seriado the 100 , produzida pela The CW. A personagem foi introduzida na segunda temporada do programa, tornando-se popular entre os fãs, rapidamente. Durante a temporada, a personagem revelou ser homossexual, o que atraiu a atenção do público LGBT, que passou a acompanhar e a se envolver com a história. Na temporada seguinte, no entanto, a personagem foi morta de forma polêmica, gerando grande revolta dos fãs e levantando questões sobre representatividade no meio audiovisual. Dessa forma, foi decidido estudar a construção da personagem, analisando elementos narrativos e técnicos observados em suas cenas, para discutir a possível reprodução de tropos narrativos negativos, apesar de uma apresentação inicial, aparentemente, positiva. O método utilizado para desenvolver o projeto foi a Análise de Conteúdo, como proposta por Laurence Bardin. Foi feita a decupagem de todas as cenas de Lexa presentes em 15 episódios do seriado, a partir das quais foram escolhidos três categorias para auxiliar na análise, a saber: a caracterização da personagem, sua relação com Clarke e sua morte. Após a exploração do material, concluiu-se que as duas hipóteses apresentadas durante a pré análise estavam corretas, de forma que a representação de Lexa reproduz, de fato, alguns tropos danosos. Deve-se, portanto, ter maior cuidado ao se produzir narrativas sobre minorias sociais e estimular a presença destas mesmas minorias nas áreas de criação e produção de conteúdo audiovisual.
Abstract: This monograph is proposed to analyse the character Lexa from the TV series The 100 produced by The CW. The character was introduced on the second season of the show, quickly becoming popular among the fans. During some point in this season the character revealed to be homossexual. That drew attention of the LGBT public who started to involve with the story. On the following season however the character was killed in a polemic way causing the fans to revolt but also bringing questions about representation in the audio-visual way. It was decided to study the construction of the character based on narrative and technical elements present in her scenes to discuss the possible reproduction of hurtful narrative tropes even though it had an initial positive presentation. The used method to develop the project was Content Analysis, proposed by Laurence Bardin. A decoupage of all Lexa’s scenes in 13 episodes was made, which from three categories to help de analysis were chosen. They were: the characterization of the character, her relationship with Clarke and her death. After the exploit of the material it was concluded that both presented hypothesis were correct, meaning that Lexa’s representation reproduces indeed hurtful tropes. Therefore, the narratives about social minorities should be produced more carefully and the presence of these minorities in writing and producing areas of audio-visual should be stimulated.
Informações adicionais: Trabalho de Conclusão de Curso (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Comunicação, Departamento de Audiovisuais e Publicidade, Habilitação em Publicidade e Propaganda, 2017.
Aparece na Coleção:Comunicação - Publicidade e Propaganda



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons