Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/19643
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2017_LuisaMartinsdeAlmeidaBretasChristino.pdf541,87 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Secundariedade feminina : cinema e representações das mulheres no mercado de trabalho
Autor(es): Christino, Luisa Martins de Almeida Bretas
Orientador(es): Geraldes, Elen Cristina
Assunto: Cinema
Mulheres - emprego
Feminismo
Data de apresentação: 21-Nov-2017
Data de publicação: 12-Mar-2018
Referência: CHRISTINO, Luisa Martins de Almeida Bretas. Secundariedade feminina: cinema e representações das mulheres no mercado de trabalho. 2017. 59 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Comunicação Social)—Universidade de Brasília, Brasília, 2017.
Resumo: Em razão do grande consumo de filmes e da relevância que o conteúdo neles presente é transmitido para a sociedade, este trabalho procura apresentar como os filmes retratam a mulher no mercado de trabalho. É comum se deparar com uma história de um homem de sucesso ou com a história de sua vida profissional, mas e quando se trata de mulheres? O trabalho traz a análise de três comédias românticas que mostram um homem e uma mulher no ambiente de trabalho, apresentando a construção das personagens e a forma com que são retratadas. Os filmes são: “Do que as mulheres gostam” (2000), “Como perder um homem em 10 dias” (2003) e “A verdade nua e crua” (2009). Para a análise, os filmes foram divididos em três atos: apresentação dos personagens e do roteiro, confrontação do problema proposto pelo roteiro e resolução com o fechamento da história. Dois caminhos foram utilizados na metodologia, o primeiro foram leituras de autoras feministas que deram o suporte teórico para as análises e, o segundo, foi a análise de conteúdo de Manuela Penafria e o Manual do roteiro de Syd Field, no qual utilizamos o caminho contrário da construção de roteiro para desmembrá-lo e analisá-lo. Por meio das análises e da revisão teórica tratadas, é possível concluir que o cinema retrata a mulher de forma secundária e inferior em relação ao homem, que é necessário que reflexões feministas estejam presentes na construção do roteiro e das personagens. As histórias trazem consigo elementos machistas e ideias estereotipadas das mulheres de sucesso profissional.
Abstract: In view of the large consumption of the movie industry products, and the considerable impact of their content upon their public, this work aims at discussing the way women are represented in movies that cover situations in the job market. It is quite common to come across movies that bring the story of a successful man at work. But what does one find when it comes to a woman's professional life? The present study analyzes three romantic commedies that represent the figures of a man and a woman in the working environment, revealing the constructions of each character, and the ways in which they are portrayed. The movies are: “What woman want” (2000), “How to lose a guy in 10 days” (2003) and “The ugly truth” (2009). For this purpose, the movies were split in three parts: the presentation of the characters and the movie’s script; the movie main issue as proposed by the script; and its solution, followed by the conclusion of the story. The methodology was structured upon two different paths: one based on feminist writings, which gave theoretical support for the analysis; and another based on Manuela Penafria's work and Syd Field's Screenplay, whose ideas were used in a process of script deconstruction, aimed at permitting the analysis. Through the analysis and the theoretical review presently concerned, it can be concluded that the mainstream movie industry represents women in a secondary manner and in an inferior condition when compared to men. As such, it is necessary that feminist considerations be made present in the moment of the construction of the script and of the characters. All stories bring male preminence ideas and female stereotypes when it comes to professional success.
Informações adicionais: Trabalho de Conclusão de Curso (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Comunicação, Departamento de Jornalismo, 2017.
Aparece na Coleção:Comunicação - Jornalismo



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons