Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/19619
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2017_DieldaAdrianaCarvalhoSouzaSteinmuller.pdf1,05 MBAdobe PDFver/abrir
Título: Sobre a consciência ambiental dos fiéis da Igreja Católica diante da crise ecológica : estudo sobre a percepção e responsabilidade socioambiental de um grupo de praticantes da Igreja
Autor(es): Steinmuller, Dielda Adriana Carvalho Souza
Orientador(es): Cruz, Tânia Cristina da Silva
Assunto: Igreja Católica
Crise ambiental
Educação ambiental
Data de apresentação: 11-Dez-2017
Data de publicação: 8-Mar-2018
Referência: STEINMULLER, Dielda Adriana Carvalho Souza. Sobre a consciência ambiental dos fiéis da Igreja Católica diante da crise ecológica: estudo sobre a percepção e responsabilidade socioambiental de um grupo de praticantes da Igreja. 2017. 54 f., il. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Gestão Ambiental)—Universidade de Brasília, Planaltina-DF, 2017.
Resumo: Esta pesquisa tem como tema o estudo da consciência ambiental dos fiéis da igreja católica e a abordagem da encíclica Laudato Si sobre o cuidado da casa comum publicada pelo Papa Francisco em 2015. Diante da crise ecológica, é essencial a parceria entre instituições para a promoção da educação ambiental. A encíclica Laudato Si aborda sobre uma nova visão ecológica para os católicos, quebrando o paradigma do domínio do homem sobre a Terra. No entanto, eles entendem que são responsáveis pelo cuidado da criação, conforme suas crenças? O objetivo geral foi analisar se o paradigma do homem dominar a Terra conforme a fé cristã ainda prevalece. Os objetivos específicos pretendiam identificar se os católicos conheciam a encíclica, sua percepção diante dos problemas ambientais e se já participaram de ações de educação ambiental promovidas pela igreja. Por muitos séculos, acreditava-se no paradigma cristão que o homem deveria dominar a Terra e tirar todo o proveito necessário para seu crescimento, baseado na bíblia em Gênesis 1,28, acarretando um dano ambiental imensurável. A igreja católica atualmente rompeu esta concepção, ensinando que o homem deve guardar e cultivar a criação de Deus, conforme está em Gênesis 2,15, e que é responsabilidade do cristão ser um administrador fiel de toda a Terra, onde acredita que tudo foi criado por Deus. A educação ambiental possibilita essa abordagem em diversos segmentos, resultando na difusão da consciência ambiental, inclusive no religioso. A encíclica Laudato Si trouxe para os católicos uma reflexão necessária, abordando diversos assuntos que envolvem os problemas socioambientais. A metodologia utilizada foi pesquisa bibliográfica, pesquisa documental e pesquisa descritiva quantitativa por meio de levantamento de campo através de formulário online. Concluiu-se que todas as hipóteses foram rejeitadas, onde mais da metade dos fiéis pesquisados já ouviram falar da encíclica, acreditam que não são proprietários e nem dominadores da Terra; reconhecem serem responsáveis pelo cuidado do meio ambiente, no qual acreditam terem sido criados por Deus; estão cientes dos problemas ambientais que os cercam; e concordam em discutir meio ambiente e religião juntamente. Sugere-se a contínua difusão da encíclica, promoção de debates abertos com as comunidades locais, mudanças de hábitos ambientais, e criação de grupos de discussão para o desenvolvimento da conversão ecológica e da contemplação de toda a criação.
Abstract: This research studies the environmental conscience of the Catholic Church’s faithful and the approach of the encyclical letter Laudato Si on care for the common home published by Pope Francis in 2015. Faced with the ecological crisis, the partnership between institutions regarding the promotion of environmental education is essential. The Encyclical Laudato Si brought a new ecological vision for Catholics by breaking the paradigm of man's dominion over Earth. But do they understand that they are responsible for the care of creation, according to their beliefs? The general objective of the research was to analyze whether the paradigm of man dominating the Earth according to the Christian faith still prevails. The specific objectives were to identify whether Catholics knew the encyclical, their perception on environmental issues, and if they have already taken part in environmental education actions promoted by the church. For many centuries, it was believed in the Christian paradigm that man should dominate the earth and take full advantage of its growth, based on the bible in Genesis 1.28, resulting in an immeasurable environmental damage. The Catholic Church has broken this conception, preaching that man should keep and nurture the God’s creation, as it is in Genesis 2:15, and that it is the Christian's responsibility to be a faithful steward of the whole Earth, in which they believe that all was created by God. Environmental education enables this approach in several segments resulting in the diffusion of environmental awareness, including the religious one. The encyclical letter Laudato Si brought to the Catholics a necessary reflection, addressing many issues that involve socio-environmental problems. The methodology used was bibliographical, documentary, and quantitative descriptive research through surveys applied online. The research concluded that all the hypotheses have been rejected, where more than half of the faithful surveyed that have heard of the encyclical believe that they are not owners and do not dominate the Earth, recognize that they are responsible for the care of the environment, in which they believe they were created by God, are aware of the environmental problems that surround them and agree to discuss environment and religion together. The research suggests the continuous diffusion of the encyclical, promotion of open discussions with local communities, changes in environmental habits, creation of discussion groups for the development of ecological conversion and contemplation of all creation.
Informações adicionais: Trabalho de Conclusão de Curso (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Planaltina, 2017.
Aparece na Coleção:Gestão Ambiental



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons