Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/18596
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2017_WilsonBarbosaGuerra_tcc.pdf712,82 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Perfil dos consumidores de hortaliças minimamente processadas no Distrito Federal
Autor(es): Guerra, Wilson Barbosa
Orientador(es): Santos, Anna Paula Rodrigues dos
Assunto: Produtos agrícolas - comercialização
Hortaliças
Alimentação saudável
Hortaliças - manuseio
Data de apresentação: Fev-2017
Data de publicação: 11-Dez-2017
Referência: GUERRA, Wilson Barbosa. Perfil dos consumidores de hortaliças minimamente processadas no Distrito Federal. 2017. 45 f., il. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Gestão de Agronegócios)—Universidade de Brasília, Brasília, 2017.
Resumo: A procura por alimentos que se adequem ao estilo de vida da sociedade moderna está cada vez mais evidente na vida dos consumidores finais. As pessoas têm consumido mais hortaliças e frutas em suas variadas formas apresentadas ao consumidor devido ao aumento de renda familiar e a procura por uma alimentação que possua um preparo rápido e ao mesmo tempo seja saudável. O trabalho teve como objetivo caracterizar o perfil das pessoas que consomem as hortaliças minimamente processadas, apontando o porquê de comprar esse tipo de alimento e o chama mais atenção ao escolhê-los. A pesquisa é identificada como exploratória e descritiva, utilizando questões abertas e fechadas. A aplicação desse questionário foi feita para 120 indivíduos, sendo feita uma analise quantitativa/qualitativa nos dados adquiridos. Os assuntos tratados foram sobre a preferência, consumo, características que interferem a escolha do produto, frequência e problemas encontrados na compra. A maior parcela dos consumidores de hortaliças minimamente processadas são do sexo feminino, com idade variando de 20 a 30 anos com um ensino superior incompleto e que possuem uma renda elevada. Como os consumidores possuem uma vida corrida, mas buscam uma alimentação de rápido preparo, o fator mais escolhido foi à praticidade com a porcentagem de 57,1%. A maior parte dos consumidores compram esses produtos a menos de 1 ano e raramente é feito o seu consumo, tendo que 56,8% não possui dificuldades de encontrar o produto. Os consumidores consideram que o problema maior na compra desse alimento é o preço elevado.
Informações adicionais: Trabalho de Conclusão de Curso (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Departamento de Gestão de Agronegócios, 2017.
Aparece na Coleção:Gestão do Agronegócio



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons