Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/18263
Título: As dobras da memória : a ditadura militar e a UnB
Autor(es): Santos, Wanderson Barbosa dos
Orientador(es): Santos, Mariza Veloso Motta
Assunto: Universidade de Brasília (UnB)
Ditadura e ditadores
Memória
Brasil - história 1964-1985
Brasil - política e governo 1964-1985
Data de apresentação: 2016
Referência: SANTOS, Wanderson Barbosa dos. As dobras da memória: a ditadura militar e a UnB. 2016. 94 f. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Ciências Sociais)—Universidade de Brasília, Brasília, 2016.
Resumo: Esta monografia consiste numa análise das memórias e das narrativas da ditadura militar na Universidade de Brasília. O período de tempo proposto para análise corresponde as décadas de 60 e 70 do século XX, contemplando assim tanto os debates referentes à criação da UnB, passando pela conjuntura política da época e a tomada do poder pelos militares no ano de 1964. A partir do ano de 1964, a UnB, torna-se palco de inúmeras violações de direitos humanos perpetradas pelos militares que estavam no poder. Nesse sentido, apresenta-se aqui uma leitura das memórias que foram durante muito tempo cerceadas e silenciadas por conta da repressão do regime militar brasileiro. Para dar subsídios empíricos à reflexão foram analisados os recentes relatórios da Comissão Anísio Teixeira de Memória e Verdade- CATMV, o Relatório da Comissão Nacional da Verdade - CNV que aborda as violações dos direitos humanos nas universidades brasileiras, depoimentos colhidos no Arquivo Público do Distrito Federal- Arpdf, além de extensa bibliografia, em especial, livros escritos por Roberto Salmeron ex-professor da UnB e primeiro Coordenador do Instituto Central de Tecnologia e Central de Física. No primeiro capítulo, analisam-se a conjuntura de formação da UnB e os debates a acerca da sua criação, a conjuntura do Brasil em meados da década de 60 que propiciou o golpe de 1964 e as memórias da ditadura militar na UnB. No segundo capítulo, busca-se compreender como as proposições teóricas de Maurice Halbwachs e Walter Benjamin contribuem para o debate em relação ao conceito de Memória Coletiva. Assim, enfatiza-se em Halbwachs a dinâmica de afirmação ou negação da memória coletiva no contexto social e, em Benjamin, a prática de reencontro com o passado com base na crítica ao conceito de progresso e de uma determinada concepção de história como aquela defendida pela social-democracia e também a busca por um conceito que contemple as memórias coletivas dos grupos subjugados. Assim, este estudo busca enfatizar as disputas sociais pelas memórias dos eventos que ocorreram na UnB. A dimensão política aparece como arena central para a compreensão do que deve ser lembrado e o que deve ser esquecido. Este trabalho tem como foco essa relação.
Informações adicionais: Trabalho de conclusão de curso (graduação)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Sociais, Departamento de Sociologia, 2016.
Aparece na Coleção:Ciências Sociais - Sociologia

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2016_WandersonBarbosadosSantos.pdf672.05 kBAdobe PDFver/abrir


Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons