Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/17523
Título: Relações Argentina – China : a construção de um vínculo assimétrico
Autor(es): Freitas, Alexandre de Barros
Orientador(es): Lessa, Antônio Carlos
Assunto: Argentina
China
Cooperação Sul-Sul
Data de apresentação: 2016
Referência: FREITAS, Alexandre de Barros. Relações Argentina – China: a construção de um vínculo assimétrico. 2016. [26] f., il. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Relações Internacionais)—Universidade de Brasília, Brasília, 2016.
Resumo: O artigo analisa as relações entre a República Argentina e a República Popular da China, desde seu estabelecimento formal, em 1972, ao fim da chamada Era Kirchner, em 2015, visando a demonstrar que, malgrado a crescente aproximação entre os países seja saudada por seus respectivos líderes como um exemplo bem-sucedido de “cooperação Sul-Sul”, verifica-se, principalmente a partir dos anos 1990, o estabelecimento de uma relação marcadamente assimétrica, sobretudo no âmbito econômico, destacando-se o risco de reprimarização da economia argentina e os crescentes déficits comerciais com seu parceiro chinês. A multiplicidade de temas da agenda bilateral permite verificar que a assimetria se estende aos campos político, militar e estratégico, com consequências negativas à soberania e economia argentinas.
Abstract: The article analyzes the relationship between the Argentine Republic and the People's Republic of China, since its formal establishment, in 1972, to the end of the so called “Kirchner Era”, in 2015, seeking to demonstrate that, despite the growing understanding between the countries, welcomed by their respective leaders as a successful example of "South-South cooperation", there is, especially since the 1990s, the development of a markedly asymmetrical relationship, mainly in the economic field, standing out the risk of reprimarization of the Argentine economy and the growing trade deficits with its Chinese partner. The multiplicity of issues negotiated in the bilateral agenda shows that this asymmetry extends to the political, military and strategic fields, with negative consequences for the Argentine sovereignty and economy.
Informações adicionais: Trabalho de Conclusão de Curso (especialização)—Universidade de Brasília, Instituto de Relações Internacionais, Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais, XVII Curso de Especialização em Relações Internacionais, 2016.
Aparece na Coleção:Relações Internacionais - Especialização

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2016_AlexandredeBarrosFreitas_tcc.pdf328.88 kBAdobe PDFver/abrir


Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons