Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/17479
Título: O vizinho malquisto : a ideia de Crescente xiita como forma de contenção do Irã na sua busca pela liderança no Golfo
Autor(es): Martins, Ana Carolina Seixas
Orientador(es): Pinto, Vânia Carvalho
Assunto: Golfo Pérsico - monarquias
Irã
Oriente Médio - relações exteriores
Oriente Médio
Crescente xiita
Data de apresentação: 2016
Referência: MARTINS, Ana Carolina Seixas. O vizinho malquisto: a ideia de Crescente xiita como forma de contenção do Irã na sua busca pela liderança no Golfo. 2016. 30 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Relações Internacionais)—Universidade de Brasília, Brasília, 2016.
Resumo: Os impactos da Revolução Islâmica de 1979 e da guerra entre Irã e Iraque, desencadearam um processo de expansão da influência iraniana no Golfo Pérsico. Os iranianos buscaram inicialmente expandir os ideais da revolução para os demais países árabes, o que fez surgir o espectro do medo da ameaça xiita. A invasão do Iraque pelos Estados Unidos em 2003 e a deposição de Saddam Hussein aumentaram ainda mais o medo do Irã. A alteração da geopolítica do Golfo deixou um vácuo de poder, no sentido que Iraque e Irã eram as duas potências que contrabalanceavam a projeção de poder na região. O Irã, por se considerar o país natural a ocupar tal espaço, buscou projetar sua influência sobre os países do Golfo Pérsico. Isto gerou a criação do conceito de Crescente Xiita, criado pela Arábia Saudita e difundido por meio de uma declaração do Rei Abdullah II da Jordânia. O Crescente Xiita constitui a crença de que o Irã estaria prosseguindo uma política de mobilização das massas xiitas dos países árabes, a fim de desestabilizar e depor regimes monárquicos sunitas. Este artigo visa entender o Crescente Xiita e o porquê deste conceito ter sido fortemente utilizado pelos países árabes que compõem o GCC. No final, há um breve estudo de caso a respeito da invasão saudita no Iêmen para lutar contra os Houthis. Para os sauditas o grupo xiita zaidi deve ser subjugado por serem desestabilizadores do governo Iêmen e por serem apoiados pelo Irã, que para os árabes, visa inflamar o conflito para a derrubada do governo.
Abstract: The impacts of the Islamic Revolution of 1979 and of the Iran-Iraq war unchained an expansion process of Iranian influence in the Persian Gulf. Firstly, the Iranians sought to expand the revolutionary ideals throughout the Arab nations. This came up as a spectre of fear of the Shiite menace. The 2003 United States invasion of Iraq and the vanquish of Saddam Hussein increased the fear of Iran. Iran and Iraq were the two powers that balanced each other in the Gulf. Thus, this change in the geopolitical scenario left a power vacuum in the region. Iran, for considering itself as a natural player to occupy such space, sought to project its influence over the countries of the Persian Gulf. It led to the creation of the Shia Crescent concept. It was created in Saudi Arabia but was broadcast by a declaration of the King of Jordan, Abdullah II. The Shia Crescent is a belief that Iran in pursuing politics of Shiite mass mobilization inside the Arab countries in order to unbalance and depose the Sunni monarchies. This paper aims to understand the Shia Crescent and why it was tightly used by the Arab nations of GCC. At the end, there is a brief case study over the Saudi invasion of Yemen against the Houthis. For the Saudis, the Zaidi Shiite group is responsible for destabilizing the government in Yemen. Since they are supported by Iran, who seeks to depose the Yemeni government, they must therefore be subdued.
Informações adicionais: Trabalho de Conclusão de Curso (especialização)—Universidade de Brasília, Instituto de Relações Internacionais, Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais, XVII Curso de Especialização em Relações Internacionais, 2016.
Aparece na Coleção:Relações Internacionais - Especialização

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2016_AnaCarolinaSeixasMartins_tcc.pdf689.95 kBAdobe PDFver/abrir


Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons