Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/16982
Título: Saber-fazer a farinha de mandioca Kalunga no Vão de Almas e a escola do campo
Autor(es): Carneiro, Erivelton Diogo
Orientador(es): Saraiva, Regina Coelly Fernandes
Assunto: Farinha de mandioca
Educação rural
Comunidades agrícolas
Data de apresentação: 2017
Referência: CARNEIRO, Erivelton Diogo. Saber-fazer a farinha de mandioca Kalunga no Vão de Almas e a escola do campo. 2017. 65 f., il. Monografia (Licenciatura em Educação do Campo)—Universidade de Brasília, Planaltina-DF, 2017.
Resumo: A farinha de mandioca produzida pelos Kalungas do Vão de Almas, em Cavalcante, Goiás, é parte da cultura e tradição daquela comunidade. Esta pesquisa teve entre seus objetivos registrar esse conhecimento e identificar como a escola do campo no Vão de Almas pode contribuir para a valorização desse saber tradicional. A metodologia utilizada para atingir o objetivo baseou-se em pesquisa campo para observação e descrição do modo de fazer a farinha (do plantio da mandioca ao preparo da farinha), com início em 2015; entrevistas e conversas com moradores e estudantes da comunidade, bem como análise de documentos, realizada entre janeiro e novembro de 2016. A pesquisa realizada traz a descrição detalhada do modo de produção desse saber-fazer da comunidade do Vão de Almas, com a intenção de fazer o registro dessa prática tão presente na vida de seus moradores. Aborda também os desafios da educação do campo nas escolas do Vão de Almas diante desse conhecimento. A pesquisa revelou que os saberes e fazeres tradicionais no processamento da farinha de mandioca são importantes, pois fazem parte da história e da vida da comunidade, mas esse conhecimento pode sofrer rupturas com o decorrer do tempo. Em escolas do Vão de Almas, foi identificado que os saberes e fazeres tradicionais são trabalhados ainda de forma muito tímida com os jovens. Por outro lado, a comunidade Vão de Almas possui vários professores formados pela Licenciatura em Educação do Campo (LEdoC) que estão aptos a formarem os sujeitos do campo e garantir uma educação de qualidade, associada à valorização da cultura local. Entretanto, ainda é necessário mudanças no Projeto Político Pedagógico das escolas e uma revisão na matriz curricular levando em consideração o conhecimento tradicional existente na comunidade, entre ele o saber-fazer da farinha de mandioca, tão importante na vida cultural e econômica da comunidade.
Informações adicionais: Monografia (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade UnB Planaltina, Licenciatura em Educação do Campo, 2017.
Aparece na Coleção:Educação do Campo

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2017_EriveltonDiogoCarneiro_tcc.pdf1.84 MBAdobe PDFver/abrir


Todos os itens na BDM estão protegidos por copyright. Todos os direitos reservados.