Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/16457
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2016_IrysDeOliveiraBorges_tcc.pdf1 MBAdobe PDFver/abrir
Título: Teste de condutividade elétrica em sementes de milho doce
Autor(es): Borges, Irys de Oliveira
Orientador(es): Souza, Nara Oliveira Silva
Coorientador(es): Maximiano, Christian Viterbo
Assunto: Milho doce
Sementes - qualidade
Data de apresentação: Dez-2016
Data de publicação: 3-Abr-2017
Referência: BORGES, Irys de Oliveira. Teste de condutividade elétrica em sementes de milho doce. 2016. x, 27 f. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Agronomia)—Universidade de Brasília, Brasília, 2016.
Resumo: O objetivo deste trabalho foi verificar a eficiência do teste de condutividade elétrica na avaliação do vigor de sementes de milho doce. O teste de condutividade elétrica foi conduzido com quatro repetições de 50 sementes por tratamento. Cada lote foi submetido a duas temperaturas (25 e 35 ºC) e dois volumes de água (50 e 75 mL). As subparcelas foram constituídas de dois períodos de embebição, 24 e 48 h. As sementes foram avaliadas com os seguintes testes: germinação (TPG), índice de velocidade de germinação (IVG), e emergência em campo (EC), além do teste de condutividade elétrica (EC). O delineamento estatístico adotado foi o inteiramente casualizado com parcelas subdivididas. Houve diferença significativa para todos os testes, com exceção apenas do teste de emergência em campo, onde não houve valores significativos. Essa diferença significativa nos tratamentos demonstra a ocorrência de comportamentos diferentes entre os testes. No teste de condutividade elétrica, os lotes diferiram em ambos os períodos de embebição; bem como os volumes de água (50 e 75 mL) de água destilada e das temperaturas de exposição para realização do teste. Foi verificada uma melhor diferenciação dos lotes no volume de 50 mL, tanto na embebição de 24 horas quanto de 48 horas. O teste de condutividade elétrica mostrou-se eficiente na diferenciação de lotes de sementes de milho doce, sendo indicada a metodologia de 50 mL de água com embebição das sementes por 24horas em temperatura de 35ºC.
Informações adicionais: Trabalho de conclusão de curso (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, 2016.
Aparece na Coleção:Agronomia



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons