Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/16258
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2015_GabrielleCarvalhoSilva_tcc.pdf721,73 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Sobre o verbo custar em português brasileiro : auxiliaridade e estruturas sintáticas
Autor(es): Silva, Gabrielle Carvalho
Orientador(es): Lunguinho, Marcus Vinícius da Silva
Assunto: Português do Brasil
Língua portuguesa - verbos
Data de apresentação: 2015
Data de publicação: 16-Mar-2017
Referência: SILVA, Gabrielle Carvalho. Sobre o verbo custar em português brasileiro: auxiliaridade e estruturas sintáticas. 2015. 77 f., il. Monografia (Bacharelado em Letras Português)—Universidade de Brasília, Brasília, 2015.
Resumo: Neste trabalho, propomo-nos a estudar dois aspectos do verbo custar com sentido de “ser custoso”, “ser difícil” e “ser demorado”. Com esse significado, esse verbo se constrói com infinitivo em duas estruturas sintáticas diferentes. Uma delas, denominada Padrão I, apresenta um DP/NP como o constituinte inicial absoluto da frase como em A cozinheira custou a / para / pra assar a carne. A outra, denominada Padrão II, traz o verbo custar como constituinte inicial absoluto da frase e o DP/NP aparece entre a preposição e o infinitivo como em Custou a / para / pra a cozinheira assar a carne. O primeiro aspecto investigado tem a ver com a natureza de custar como um verbo auxiliar ou não. A esse respeito, à luz dos critérios de auxiliaridade propostos por Pontes (1973) e por Lobato (1975), mostramos que custar apresenta comportamento diferenciado em cada um dos padrões apontados. No Padrão I, custar exibe propriedades do que Lobato (1975) denominou auxiliar stricto sensu, ao passo que, no Padrão 2, esse verbo se mostra mais próximo do que a autora denomina auxiliar lato sensu. O segundo aspecto abordado foi a sintaxe de cada um desses padrões sintáticos. Para tanto, adotamos a Teoria Gerativa como quadro teórico de referência e, seguindo os pressupostos dessa teoria, propusemos que, no Padrão I, custar se combina com um infinitivo não flexionado, cuja presença faz com que o DP/NP se desloque para fora desse domínio infinitivo em busca de Caso. O nominal vai então para a posição de especificador do sintagma de flexão (IP) matriz, onde recebe Caso Nominativo do núcleo funcional Flexão. No padrão II, a presença do DP/NP entre a preposição e o infinitivo é analisada como sendo a posição em que esse nominal recebe Caso. Argumentamos que sentenças do Padrão II têm sintaxe ambígua, uma vez que o Caso do constituinte nominal pode vir da preposição introdutora do infinitivo, em uma configuração característica como de Marcação Excepcional de Caso, ou pode vir da flexão no infinitivo, flexão essa associada à categoria Concordância (AGR), a qual vai ser responsável pela atribuição de Caso Nominativo.
Abstract: The aim of this study is to analyze two aspects of the verb custar in the sense of “to be slow”, “to be difficult” and “to be long”. With this meaning, custar combines with an infinitival form in two different syntactic structures. In one of them, called Pattern I, the DP/NP is the constituent in absolute initial position of the sentence as in A cozinheira custou a / para / pra assar a carne. In the other, called Pattern II, the verb is the absolute initial constituent of the sentence and the DP/NP appears between the preposition and the infinitive as in Custou a / para / pra a cozinheira assar a carne. The first aspect of custar which has been investigated has to do with its auxiliary nature. Taking into consideration the criteria of auxiliarity proposed by Pontes (1973) and Lobato (1975), we showed that custar behaves in two different ways. In Pattern I, this verb has properties of what Lobato (1975) denominated strictu sensu auxiliary verb, whereas in Pattern II, custar shows properties common to what the author called lato sensu auxiliary verbs. The second aspect of custar which has been analyzed is the syntax of each one of its patterns. In order to do this, we adopt the framework of the Generative Theory and based on the assumptions of this theory, we propose that custar, in Pattern I, combines with an uninflected infinitive, whose properties force the DP/NP to moves out of the infinitival domain in search of Case. The nominal constituent reaches the specifier position of the matrix Inflectional Phrase (IP), where it is assigned Nominative Case by the functional head I. In the Pattern II, the position of the DP/NP between the preposition and the infinitive is analyzed as the position where this nominal receives Case. We argue that the sentences of Pattern II are syntactically ambiguous as for the origin of the Case assigned to the nominal constituent. This DP/NP can be either assigned Oblique Case from the preposition in an Exceptional Case Marking configuration or it can be assigned Case from the inflectional morphology present in the infinitive. This inflectional morphology is associated with the presence of an Agreement head (AGR) which is responsible for the assignment of Nominative Case.
Informações adicionais: Monografia (graduação)—Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas, 2015.
Aparece na Coleção:Letras - Português



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons