Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/14776
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2016_JoaoVictorPacificoDamascenoRocha_tcc.pdf479,36 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Diferenciação racial de traficantes de drogas na mídia : um estudo de análise de discurso crítica
Autor(es): Rocha, João Victor Pacifico Damasceno
Orientador(es): Vieira, Josenia Antunes
Assunto: Análise do Discurso Crítica (ADC)
Negros - estereótipos
Racismo
Criminalidade
Tráfico de drogas
Mídia
Data de apresentação: 2016
Data de publicação: 26-Set-2016
Referência: ROCHA, João Victor Pacifico Damasceno. Diferenciação racial de traficantes de drogas na mídia: um estudo de análise de discurso crítica. 2016. [18] f., il. Monografia (Bacharelado em Letras Português)—Universidade de Brasília, Brasília, 2016.
Resumo: Este estudo situa-se na Análise de Discurso Crítica (ADC), tendo como marcos teóricos a metodologia de análise de Fairclough e os conceitos de poder, ideologia e comunicação de massa, segundo Fairclough, van Dijk e Thompson. Segundo a ADC, o discurso racista se mantém e se modifica ao longo do tempo através da difusão da ideologia dominante pela mídia de massa. Atualmente, no Brasil, o racismo se expressa na mídia de massa de formas sutis, e uma delas é a crença de que certos grupos sociais estão diretamente envolvidos com a criminalidade e com o tráfico de drogas, enquanto outros grupos não são vinculados ao crime e, quando citados, têm seu delito amenizado e são tratados como participantes em alguma organização criminosa invisível. Essa crença é reafirmada com diversos mecanismos linguísticos. A seleção do corpus de análise foi feita com buscador online, usandose os termos de busca "jovens de classe média são presos com maconha" e "traficante é preso com maconha", com vistas a selecionar notícias policiais de jornais de distribuição de massa que representassem a dicotomia jovens de classe média X traficante em notícias parecidas. Foram escolhidas duas notícias do portal G1. A análise de discurso evidenciou que a diferenciação racial dos criminosos se dá por procedimentos de passivização, personalização e nominalização, no caso dos jovens de classe média, e de apagamento do sujeito e estereotipação do traficante de classe baixa. No primeiro caso, os sujeitos têm nome e as circunstâncias da apreensão em geral são mais detalhadas. A passivização se dá pelo uso da voz passiva e também pela nominalização, isto é, a conversão de ações verbais em sintagmas nominais, como "envolvimento com tráfico", ao invés do ato de traficar. Já no segundo caso, o sujeito não é identificado e o fato em si é pouco detalhado. Ao invés da identificação explícita do criminoso, este é tratado enquanto classe e enquanto tipo criminal (traficante).
Abstract: This study resides in the Critical Discourse Analysis (CDA), having as theoretical framework the analysis methodology of Fairclough and the concepts of power, ideology and mass communication, according to Fairclough, van Dijk and Thompson. According to CDA, the racist discourse is maintained and modified through time due to the dissemination of the dominant ideology by mass media. Today, in Brazil, racism is expressed in mass media in subtle forms, one of them being the belief that certain social groups are directly involved with criminality and drug trafficking, whereas other groups are not linked to crime and, when cited, have their transgression softened and are depicted as participants in some invisible crime organization. This belief is reasserted with various linguistic machanisms. The selection of the analysis corpus was made with an online searcher, using the search terms "middle-class youngsters get arrested with marijuana" and "dealer gets arrested with marijuana", in order to select police news from massive newspapers which represented the dicotomy middle-class youngsters X dealer in similar news. There were chosen two news from G1 website. The discourse analysis highlighted that the racial differentiation of criminals is performed by passivization, personalization and nominalization, regarding the middle-class youngsters, and by obliteration of the subject stereotyping for the lower-class dealer. In the first case, the subjects have names and the circunstances of the arrest are more detailed. The passivization takes place in the use of passive voice and also in nominalization, that is, the conversion of verbal actions in nominal syntagms, such as "involvement with drugdealing", instead of the act of dealing. In the second case, the subject is not identified and the fact itself is poorly detailed. Instead of the explicit identification of the criminal, he is depicted as his class and as the criminal type (dealer).
Informações adicionais: Monografia (graduação)—Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas, 2016.
Aparece na Coleção:Letras - Português



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons