Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/14770
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2016_DanilodeAlbuquerqueFurtado_tcc.pdf687,12 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Riqueza contra e a favor da pólis em Demóstenes
Autor(es): Furtado, Danilo de Albuquerque
Orientador(es): Rocha, Sandra Lúcia Rodrigues da
Assunto: Análise do discurso
Demóstenes, 384-322 a. C
Atenas (Grécia)
Aristóteles
Data de apresentação: 2016
Data de publicação: 26-Set-2016
Referência: FURTADO, Danilo de Albuquerque. Riqueza contra e a favor da pólis em Demóstenes. 2016. 66 f. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Letras Português)—Universidade de Brasília, Brasília, 2016.
Resumo: O orador Demóstenes foi um influente personagem na política da cidade de Atenas durante o século IV a.C., de modo que é uma fonte valiosa para a compreensão de certos aspectos da cultura grega clássica. Este trabalho faz uma análise de como esse autor representa a riqueza e sua interação com a cidade em três dos seus discursos (Contra Mídias, Sobre a Organização, e Sobre as Simorias). No interesse de ter um bom ponto de comparação através do qual as conceitualizações de Demóstenes fiquem mais claras, nos valemos do tratado Ética a Nicômaco de Aristóteles para ajudar a contrastar e contextualizar as ideias dos dois autores. A pesquisa nos revela que há uma semelhança notável entre os modos que o orador e o filósofo retratam os usos da riqueza, em especial à medida que ambos a relacionam à ideia da utilidade ou dos benefícios que podem gerar para outros. Mas as diferenças nos pensamentos dos dois autores também são profundas, e podem ser em grande parte fruto de seus diferentes objetivos ao escrever: Aristóteles, interessado nas ações éticas do escopo do indivíduo, define o valor de cada transação de bens de maneira propositiva e universalizante; Demóstenes, interessado em persuadir no escopo da pólis como um todo, determina valores de transações de bens de maneira mais flexível e contextualizada. Mas observamos que há um princípio que guia todos os argumentos do orador com relação à riqueza – o de que ela deve beneficiar a cidade de Atenas.
Abstract: Demosthenes was an influential character in the politics of the city of Athens during the 4th century B.C. He is a valuable source for understanding certain aspects of classical Greek culture. This paper analyzes how this author represents the concept of wealth and how it interacts with the city in three of his speeches (Against Meidias, On the Organization, and On the Symmories). In the interest of having a good point of comparison through which Demosthenes’ concepts become clearer, it also uses Aritotles’ Nicomachean Ethics to assist in contrasting and contextualizing the ideas of both authors. This research shows that there are striking similarities between the ways the orator and the philosopher present the uses of wealth, especially as both associate these to the utility or the benefits these can grant to others. However, the differences in how each author thinks are also abundant, and can stem from their different objectives. Aristotle, focused on ethical action on the individual scale, assigns values to each transaction of goods in an assertive and universal way. Demosthenes, focused on persuading others in a city scale, assigns value to goods’ transactions in a flexible and contextualized manner. Yet, a guiding principle always informs the rhetor’s arguments on wealth – that it should be beneficial to the polis of Athens.
Informações adicionais: Trabalho de conclusão de curso (graduação)—Universidade de Brasília, Língua Portuguesa e respectiva Literatura, 2016.
Aparece na Coleção:Letras - Português



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons