Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/14768
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2015_IsaacJaderRodrigues_tcc.pdf389,23 kBAdobe PDFver/abrir
Título: O trabalho e a emancipação da mulher : um contraponto entre as personagens femininas de Iaiá Garcia, de Machado de Assis, e A estrela sobe, de Marques Rebelo
Autor(es): Rodrigues, Isaac Jader
Orientador(es): Silva, Gislene Maria Barral Lima Felipe da
Assunto: Assis, Machado de, 1839-1908
Literatura brasileira
Mulheres na literatura
Mulheres - representações
Personagens literários - análise
Rebelo, Marques, 1907 - 1973 (Pseudônimo literário)
Data de apresentação: 2015
Data de publicação: 26-Set-2016
Referência: RODRIGUES, Isaac Jader. O trabalho e a emancipação da mulher: um contraponto entre as personagens femininas de Iaiá Garcia, de Machado de Assis, e A estrela sobe, de Marques Rebelo. 2015. 34 f. Monografia (Licenciatura em Letras Português)—Universidade de Brasília, Brasília, 2015.
Resumo: Entre as publicações dos livros Iaiá Garcia (1878), de Machado de Assis e A estrela sobe (1939), de Marques Rebelo, houve um transcurso temporal de 61 anos. Nesse período, a mulher conseguiu aumentar sua participação em questões que antes eram nomeadamente da atenção dos homens, como a política. Na primeira obra mencionada, a atuação das personagens femininas fica voltada, sobretudo, ao ambiente familiar. Enquanto os homens exercem funções públicas, negociam mercadorias, vão à guerra, entre outros, as mulheres dedicam-se ao matrimônio. Por outro lado, no livro A estrela sobe, a protagonista está sempre envolvida em atividades externas ao lar. Graças a um conjunto de eventos históricos, como a necessidade de mão de obra e o movimento feminista, a mulher pôde, entre a segunda metade do século XIX e a primeira metade do século XX, intensificar sua migração dos espaços privados para os espaços públicos. Com isso, ela passou a enfrentar novas provações. Enquanto a mulher estava sob o apogeu da ideologia do patriarcado, a submissão ao homem era o seu fardo; superado esse momento, ela passou a enfrentar as crueldades do capitalismo. Convém destacar que em quaisquer das situações, as mulheres demonstraram força e graciosidade para lidar com as dificuldades que se punham diante delas. O processo de emancipação ora descrito foi captado e registrado na literatura. Verificamos, a partir da leitura comparada das obras Iaiá Garcia e A estrela sobe, um desenvolvimento da representação feminina nas relações sociais. A participação, na economia, das personagens femininas quase não aparece no primeiro livro. No entanto, na segunda obra, a atuação da mulher ganha cenário na máquina produtiva. Ao espelhar os fatos da vida real, a sexta arte coloca em evidência aspectos que passam despercebidos em nosso cotidiano. Dessa forma, salienta-se a importância da literatura. A leitura de livros de autores consagrados permite a apropriação das percepções desses mestres, que tinham enorme sensibilidade sobre as questões sociais.
Informações adicionais: Monografia (graduação)—Universidade de Brasília, Instituto de Letras, Departamento de Teoria Literária e Literaturas, Curso de Graduação em Letras, 2015.
Aparece na Coleção:Letras - Português



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons