Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/14406
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2016_JuliaVirginiadosSantosPiresMaciel_tcc.pdf463,41 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Evidenciação do ajuste a valor justo na DVA por empresas que operam com ativos biológicos
Autor(es): Maciel, Júlia Virgínia dos Santos Pires
Orientador(es): Dantas, José Alves
Assunto: Demonstração do Valor Adicionado (DVA)
Valor justo (Contabilidade)
Ativos biológicos
Data de apresentação: 2016
Data de publicação: 30-Ago-2016
Referência: MACIEL, Júlia Virgínia dos Santos Pires. Evidenciação do ajuste a valor justo na DVA por empresas que operam com ativos biológicos. 2016. 37 f. Monografia (Bacharelado em Ciências Contábeis)—Universidade de Brasília, Brasília, 2016.
Resumo: Após a promulgação do CPC 29, os ativos biológicos deixaram de ser avaliados pelo custo histórico para serem avaliados a valor justo. A avaliação ou reavaliação desses ativos afeta os resultados da empresa, e essa variação deve ser evidenciada na Demonstração do Valor Adicionado, uma vez que esta demonstração evidencia a riqueza criada e distribuída pela empresa durante o exercício social. Este artigo buscou identificar o modo como 21 empresas que operam com ativos biológicos evidenciaram os ganhos e perdas decorrentes da avaliação e reavaliação desses itens na DVA nos exercícios de 2010 a 2014. Identificou-se que nem todas as empresas utilizaram o valor justo como forma de mensuração de seus ativos biológicos. Quando se analisa o percentual de ativos biológicos em relação aos ativos totais, a empresa com maior percentual apresentou a menor quantidade de informações a respeito da mensuração desses ativos, enquanto a empresa com menor percentual apresentou de forma detalhada as informações acerca da mensuração deles. Foram analisadas 90 demonstrações contábeis, sendo que em 61,22% houve utilização do valor justo, mas não houve evidenciação de sua variação na DVA, e em 5,10% o valor justo não foi utilizado. Nas demais, a informação foi apresentada como linha específica na DVA, como outras receitas ou como insumos adquiridos de terceiros (5,10%, 13,27% e 15,31%, respectivamente). Não foi possível identificar padrões determinantes na maneira como a variação do valor justo é evidenciada pelas empresas, nem mesmo entre empresas que atuam no mesmo setor, que operam com ativos biológicos do mesmo tipo, que utilizam a mesma metodologia para mensuração do valor justo ou que tiveram suas demonstrações auditadas pela mesma firma de auditoria.
Informações adicionais: Monografia (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais, Bacharelado em Ciências Contábeis, 2016.
Aparece na Coleção:Ciências Contábeis



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons