Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/14379
Título: Angústias de espaços de fala abertos em uma classe escolar
Autor(es): Dias, Luciana Melo
Orientador(es): Lopes, Juliana Crespo
Assunto: Professores e alunos
Ambiente de sala de aula
Diversidade cultural
Data de apresentação: 14-Nov-2015
Data de publicação: 29-Ago-2016
Referência: DIAS, Luciana Melo. Angústias de espaços de fala abertos em uma classe escolar. 2015. 35 f. Monografia (Especialização em Educação em e para os Direitos Humanos no Contexto da Diversidade Cultural)—Universidade de Brasília, Brasília, 2015.
Resumo: Ao abrir espaços de fala em uma classe escolar considerada “problema”, a intenção foi dar voz e vez à diversidade cultural de um público que, mesmo protagonista do contexto educacional, raramente teve a oportunidade de expressão que não fosse em forma de indisciplina ou transgressão. Esta pesquisa tem a proposta metodologica da pesquisa participante por compreender um paradigma de produção de conhecimentos que se esforça por diminuir a distância entre os sujeitos pesquisadores e os sujeitos pesquisados, resgatando o papel ativo da comunidade ao lado do pesquisador. A pesquisa/intervenção teve como macrovisão o método cartográfico, sendo a cartografia concebida não como um método pronto e sim gerador de pistas que permeiam sua prática, um processo em construção caso a caso, denotando afinidade com a essência do projeto de intervenção por ser pautado na construção coletiva. O trabalho de campo resultou em sutis insights, mas, na maioria do tempo, em situações caóticas que sugere ser um recorte das vivências sociais desses atores estigmatizados na escola e, em geral, com sentimentos de incompreensão em suas vidas familiares. A conclusão é que há um descontentamento de todas as partes e o reflexo na pesquisadora foi claro, entretanto, não podemos esquecer que o caos interno gerado faz parte do processo e a partir de um tempo de longo prazo que deveria ser designado a este tipo de intervenção em escola, as questões caóticas poderiam até mesmo dar subsídios para compor uma proposta consistente para a comunidade escolar. Qualquer trabalho consistente em um ambiente complexo como uma escola requer um tempo hábil para criar vínculos, observar e compreender o contexto para que, somente mais consciente do processo, a pesquisadora possa ter respaldo para exercer seu papel com seriedade e cuidado que uma intervenção no âmbito escolar prevê.
Informações adicionais: Monografia (especialização)—Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Curso de especialização em Educação em e para os Direitos Humanos, no contexto da Diversidade Cultural, 2015.
Aparece na Coleção:Educação em e para os Direitos Humanos, no contexto da Diversidade Cultural

Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2015_LucianaMeloDias_tcc.pdf1,36 MBAdobe PDFver/abrir


Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons