Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/14344
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2016_MaycoLeonardoSantanaSantos_tcc.pdf735,74 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Evidenciação do sistema de controles internos de bancos brasileiros
Autor(es): Santos, Mayco Leonardo Santana
Orientador(es): Dantas, José Alves
Assunto: Controle interno
Evidenciação contábil
Bancos
Instituições financeiras
Data de apresentação: 2016
Data de publicação: 25-Ago-2016
Referência: SANTOS, Mayco Leonardo Santana. Evidenciação do sistema de controles internos de bancos brasileiros. 2016. 47 f., il. Monografia (Bacharelado em Ciências Contábeis)—Universidade de Brasília, Brasília, 2016.
Resumo: Esta pesquisa teve como objetivo avaliar o nível de evidênciação e a aderência das informações divulgadas nos relatórios da administração sobre a estrutura de controles internos das 10 maiores instituições financeiras do mercado brasileiro, em relação ao modelo COSO 2013. Caracterizada como exploratória, aborda de forma qualititativa e quantitativa os relatórios da administração publicados de 2000 a 2014, avaliando a aderência das informações ao modelo conceitual. Os resultados do estudo demonstram que, ao avaliar os bancos de forma consolidada, o nível de evidenciação permanece similar ao longo do tempo, indicando pouca evolução em relação ao conteúdo apresentado nos relatórios, havendo um maior nível de evidenciação nos componentes de Ambiente de Controle e Informação e Comunicação e em menor nível nos componentes de Atividade de Controles e Atividades de Monitoramento. A análise por grupos demonstrou que os bancos com capital aberto possuem um maior nível de evidenciação que as instituições financeiras de capital fechado, havendo uma maior diferenciação em relação aos componentes de Avaliação de Risco e Atividades de Monitoramento. O resultado entre os grupos por tipo de controle – público, privado nacional e privado estrangeiro – revelou que os bancos de controle público e privado nacional a partir do período CA2 foram superiores, se mantendo próximos quanto aos níveis de evidenciação ao longo do tempo. Por fim, na análise individual dos bancos destacaram-se positivamente o Banco do Brasil e o Bradesco, apresentando evolução ao longo do tempo e sendo as instituições que alcançaram os maiores níveis de evidenciação. Em termos negativos, destacou-se o Banco BTG, com baixo nível de evidenciação nos períodos avaliados.
Informações adicionais: Monografia (graduação)—Universidade de Brasília, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Departamento de Ciências Contábeis e Atuariais, Bacharelado em Ciências Contábeis, 2016.
Aparece na Coleção:Ciências Contábeis



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons