Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/12891
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2014_GildeteRainhadeLima.pdf641,15 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Desigualdades raciais e sociais no Brasil : gênero e cor : uma análise comparativa de dados sobre o perfil socioeconômico da população negra no Brasil no período de 2003-2010
Autor(es): Lima, Gildete Rainha de
Orientador(es): Passos, Rodrigo Duarte Fernandes dos
Assunto: Racismo
Desigualdade social
Mulheres negras
Data de apresentação: 7-Jul-2014
Data de publicação: 18-Abr-2016
Referência: LIMA, Gildete Rainha de. Desigualdades raciais e sociais no Brasil: gênero e cor: uma análise comparativa de dados sobre o perfil socioeconômico da população negra no Brasil no período de 2003-2010. 2014. 42 f. Monografia (Especialização em Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça)—Universidade de Brasília, Brasília, 2014.
Resumo: Este trabalho apresenta como temática a desigualdade de social e racial com enfoque de gênero em relação às mulheres negras. Tem como objetivo de identificar, a partir das análises dos documentos de pesquisa, se houve alguma contribuição das políticas públicas e programas sociais realizados durante o período de 2003 a 2010 contemplaram as mulheres negras nos espaços sociais e contribuíram para a diminuição das desigualdades sociais, raciais e de gênero. Para a produção deste trabalho foram realizadas análises de micro dados de pesquisas e dados quantitativos advindos de indicadores sociais como mercado de trabalho, educação, saúde e outros registrados a partir de 2003 até 2010 cuja temática foi gênero e raça. Explorando a possibilidade de que para as mulheres negras existem além dos obstáculos na questão de gênero o fator racial se torna um peso maior ainda para a sua ascensão social e ingresso em vários espaços sociais. Portanto ao refletir sobre esses dados, dentro de sua contextualização, buscou-se evidenciar que mesmo em diferentes contextos e regiões do Brasil, a mulher negra continua em desvantagens sociais. Diante disso é preciso entender como são interpretados esses dados e quais ações são tomadas para enfrentamento dos obstáculos para mudar esta realidade. Conclui-se que apesar dos avanços nas políticas voltadas para as mulheres no país, as mulheres negras, continuam e são em maioria pobres, analfabetas, sem atendimento adequado de saúde e quando trabalhadora é mal remunerada mesmo tendo qualificação profissional.
Informações adicionais: Monografia (especialização)—Universidade de Brasília, Faculdade de Educação, 2014.
Aparece na Coleção:Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons