Utilize este link para identificar ou citar este item: http://bdm.unb.br/handle/10483/12859
Arquivos neste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2014_ArturAntoniodosSantosAraujo.pdf453,83 kBAdobe PDFver/abrir
Título: Intersetorialidade e interseccionalidade : gestão do Plano de Prevenção à Violência contra a Juventude Negra
Autor(es): Araújo, Artur Antônio dos Santos
Orientador(es): Filice, Renísia Cristina Garcia
Assunto: Juventude
Racismo
Negros
Violência
Data de apresentação: 28-Jun-2014
Data de publicação: 12-Abr-2016
Referência: ARAÚJO, Artur Antônio dos Santos. Intersetorialidade e interseccionalidade: gestão do Plano de Prevenção à Violência contra a Juventude Negra. 2014. 50 f., il. Monografia (Especialização em Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça)—Universidade de Brasília, Brasília, 2014.
Resumo: Este estudo tem como objeto de pesquisa o Plano de Prevenção à Violência Contra a Juventude Viva, no município de Maceió/AL. Para tanto, foi necessário descrever os objetivos, as principais ações e órgãos responsáveis pela Coordenação desse Plano. A relevância desse estudo se justifica porque os homicídios contra a juventude tem pautado a sociedade. Os dados de homicídios no Brasil, revelam a necessidade de ações pelo Estado para conter a violência e diminuir o número de homicídios. À respeito dos procedimentos metodológicos, o estudo foi baseado na pesquisa qualitativa. A análise foi realizada a partir de vários documentos, dentre estes, o Decreto que cria o Plano Juventude Viva, relatórios e guia de Implementação do Juventude Viva, fontes estatísticas (IPEA e IBGE), dados da Secretaria Nacional da Juventude, da Secretaria Geral da Presidência da República (SNJ/SG) e Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR). As concepções teóricas que oferecem subsídios para racial e combate ao racismo, associada à discussão sobre intersetorialidade, interseccionalidade, baseou-se nos seguintes teóricos: Ianni(1978), Oracy Nogueira(1998), Hasenbalg (1979), Azevedo (2003), Jaccoud (2003), Garcia (2007), Florestan Fernandes([1972]2007). Os resultados apresentados foram a constatação que os índices de homicídios contra a juventude negra continuam alarmantes, poucos resultados efetivos do Plano Juventude Viva e a necessidade de aprimorar a implementação da interseccionalidade e intersetorialidade na formulação, implementação e avaliação dessa política pública.
Informações adicionais: Monografia (especialização)—Universidade de Brasília, Faculdade de Educação, 2014.
Aparece na Coleção:Gestão de Políticas Públicas em Gênero e Raça



Este item está licenciado na Licença Creative Commons Creative Commons